Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 15 Agosto |
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Stefania Łącka: batizou bebês condenados à morte em Auschwitz

STEFANIA LACKA

archwwa.pl

Sandra Ferrer - publicado em 25/01/22

Começa o processo de beatificação de uma jovem polonesa que arriscou a vida para salvar outras pessoas no campo de concentração nazista

Os campos de concentração eram uma verdadeira máquina de matar. Milhões de judeus, pessoas com deficiência, acusados ​​de agir contra a Alemanha ou simplesmente não terem “sangue ariano” foram executados.

Os católicos, principalmente na Polônia, sofreram o extermínio na própria pele e lutaram para combatê-lo, arriscando a própria vida. Muitos são os homens e mulheres que foram elevados aos altares pela sua dedicação absoluta aos outros e pela sua defesa da fé naqueles anos sombrios da história europeia.

Heroísmo

Há alguns meses, em agosto de 2021, iniciou-se um novo processo de beatificação que serviu para trazer à luz uma das muitas histórias não apenas de heroísmo, mas sobretudo de esperança no ser humano.

Stefania Łącka, como tantas outras pessoas de seu tempo, não nasceu para ser uma heroína. Era uma mulher simples. Pertencia a uma família camponesa.

Nascida em 6 de janeiro de 1914, desde muito jovem sentiu uma fé profunda. Todos os dias ela encontrava um momento nos longos dias de trabalho no campo para se refugiar na igreja e rezar.

Na paróquia, Stefania também aproveitava para ler; porque o pároco da cidade abriu as portas para que todos os que quisessem viessem ler em sua grande biblioteca.

Destino: Auschwitz

A jovem se esforçou muito em seus estudos, até que veio a guerra. Mas antes que as tropas alemãs ocupassem a Polônia, Stefania Łącka teve tempo de se envolver ativamente em vários movimentos católicos e colaborar como editora de uma revista religiosa, Nasz Spraw.

Após a invasão nazista, a publicação foi forçada a fechar, mas continuou operando clandestinamente. Foi apenas uma questão de tempo até que ela fosse presa pela Gestapo sob a acusação de colaborar com os inimigos da Alemanha.

Prisão

Transferida para uma prisão, Stefania Łącka foi horrivelmente torturada. Mas os alemães não conseguiram obter os nomes dos camaradas que ainda não haviam sido presos. Já então ele começou a mostrar uma vontade de ferro; não apenas suportando os ataques ao seu corpo, mas também encorajando os demais prisioneiros e prisioneiras a não se deixarem derrotar pela irracionalidade dos nazistas.

Em 27 de abril de 1942, ela embarcou em um trem que a levaria para o campo de concentração de Auschwitz-Birkenau. Lá ela não era mais Stefania Łącka, ela era, como o resto dos prisioneiros, um número, 6886.

Risco

Longe de desistir, ela se recusou a perder sua humanidade. Seus bons conhecimentos de alemão lhe permitiram ingressar na enfermaria do campo e ter acesso a alguns documentos.

Mesmo sabendo que poderia custar-lhe a vida, caso ela fosse descoberta, Stefania não apenas dava conforto aos moribundos. Ela modificou dados para retirar algumas pessoas das listas de condenados às câmaras de gás ou a receber injeção letal. Ela escreveu cartas para as famílias dos prisioneiros e compartilhou o poder da oração com todos que podia.

Quando não conseguia salvar os bebês condenados à câmara de gás com suas mães, Stefania Łącka não hesitava em batizá-los secretamente.

Apesar de sofrer um terrível surto de tifo e de todas as dificuldades inimagináveis ​​no campo, a jovem polonesa tornou-se um pilar de fé e esperança. Stefania decidiu salvar o maior número possível de pessoas que pudesse. Quando não era possível salvá-los, acompanhava-os em seu destino trágico, encorajando-os por meio da oração. Sua força e coragem fariam com que ela fosse conhecida como um “anjo da guarda”.

“Vou no seu lugar”

Helenka Panek, outra prisioneira de Auschwitz, contou anos depois que, na fila esperando para ouvir o número das pessoas que seriam executadas naquele dia, ela tinha Stefania ao seu lado. Vendo Helenka nervosa e angustiada, ela assegurou-lhe que se seu número saísse, ela, Stefania, se colocaria em seu lugar para salvá-la da morte.

Stefania Łącka sobreviveu a um dos campos de concentração mais mortíferos da história. Quando a guerra terminou, ela estava cheia de sonhos e começou a estudar filologia polonesa na Universidade Jaguelônica de Cracóvia. Mas seu corpo estava tão enfraquecido por anos de abuso físico e desnutrição que a tuberculose acabou com sua vida em 7 de novembro de 1946.

Na igreja de Gręboszów, perto de onde nasceu, há uma placa em sua memória na qual ela é lembrada como uma pessoa “de profunda fé”. Ele trouxe um sorriso e esperança, muitas pessoas devem a ela a sobrevivência ao horror de Auschwitz. Sua bondade foi providencial naquele cenário infernal de sofrimento humano.

Tags:
BatismoGuerraHistória
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia