Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 15 Agosto |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

“A fé da Igreja & Sentir com a Igreja”

shutterstock_242940487.jpg

Sondem /Shutterstock

Vanderlei de Lima - publicado em 06/02/22

“Cremos que a confusão moderna a respeito da fé e da moral cristãs – cuja magnitude e gravidade seria inútil dissimular – não se resolverá com base na doutrina dos teólogos modernos"

Eis, numa só obra, dois livros do Padre Antonio Royo Marín, afamado teólogo dominicano espanhol: “A fé da Igreja” e “Sentir com a Igreja”. Foi publicada pela Editora Ecclesiae, de Campinas, e já está na merecida segunda edição.

Logo na página 13, o autor nos explica como é seu trabalho: “Escrevemos uma obra dividida em duas partes fundamentais. Na primeira, abordamos o que poderíamos chamar de teologia da fé. Na segunda, reunimos um amplíssimo resumo da doutrina oficial da Igreja através dos séculos, a qual explica por si só o título e o subtítulo de toda a obra”. E complementa na página 15: “Limitamo-nos única e exclusivamente a expor de uma maneira sistemática e ordenada a doutrina oficial da Igreja através dos Concílios e dos Papas, desde os tempos apostólicos até o Concílio Vaticano II e os ensinamentos de Paulo VI e João Paulo II. Desta maneira, o leitor cristão pode saber com toda segurança e certeza, sem medo algum de equivocar-se, a que deve ater-se em matéria de fé e moralidade cristãs. Porque, embora seja evidente que nem todos os ensinamentos dos Concílios e dos Papas sejam dogmas de fé, todos são normas seguras e certas para que alguém não se desvie do caminho”.

Na página 14, dá a correta solução às crises de fé e moral: é o magistério da Igreja! Sim, Royo Marín escreve: “Cremos que a confusão moderna a respeito da fé e da moral cristãs – cuja magnitude e gravidade seria inútil dissimular – não se resolverá com base na doutrina dos teólogos modernos, por muito eminentes e famosos que sejam, nem tampouco com o recurso direto às fontes da divina revelação interpretadas pelo engenho ou ‘carisma pessoal’ de cada um (livre-exame protestante), mas com a aceitação plena, leal e sincera do Magistério Oficial da Igreja, no qual, em virtude da assistência divina prometida pelo próprio Cristo até o fim dos séculos (cf. Mc 16,19-20), não cabe o menor erro ou desvio na interpretação autêntica das verdades reveladas por Deus. A doutrina oficial da Igreja, através dos Concílios e dos Papas, foi, é e será sempre perfeitamente válida e segura, não importa quais sejam as vicissitudes e vaivéns do mundo que nos rodeia”. Todas as verdades de fé reveladas a nós – que não recebemos a revelação divina direta de Deus, tal qual os profetas e apóstolos –, precisam, como condição sine qual non, ser asseguradas, de modo infalível, pela Igreja (cf. Mt 28,20), que se vale, por sua vez, da confirmação pelo milagre e a profecia (cf. p. 54-60).

O teólogo espanhol faz ainda um oportuno alerta sobre as revelações particulares. Diz ele que “estão excluídas como objeto material da fé divina e católica as revelações privadas que algumas pessoas em particular podem receber (por exemplo, Santa Teresa), de forma que somente elas são obrigadas a crer com fé divina, caso tenham, em virtude da luz profética, certeza da origem divina das mesmas” (p. 62). E acrescenta em rodapé: “Muitos teólogos negam inclusive que mesmo estes que recebem a revelação privada devam crer nela com fé divina”.

Mais adiante, Royo Marín trata do pecado grave contra a obediência por parte de quem nega a autoridade da Igreja, especialmente a do Santo Padre, o Papa: “Aquele que recusa pertinazmente aceitar as proposições doutrinais que a Igreja apresenta como não reveladas não é propriamente herege, mas peca gravemente contra a obediência devida à autoridade da Igreja em doutrinas relacionadas com a fé e os costumes, embora não sejam expressamente reveladas” (p. 116; cf. p. 203-204). 

O teólogo lembra também que a Igreja condenou como heréticos alguns sistemas políticos, tais como o liberalismo absoluto, o comunismo, o socialismo e o nazismo (cf. p. 117), e se julga consolado com a possibilidade de salvação eterna das crianças mortas sem o batismo (cf. p. 273 e 17), conforme exposto no Catecismo da Igreja Católica n. 1261.

As pouquíssimas falhas de digitação – “compõese”, em vez de compõe-se (p. 304) ou “confirma-los”, quando o correto seria confirmá-los (p. 14), por exemplo –, passam quase despercebidas ante a magnitude da obra. Parabéns à Editora Ecclesiae!

Mais informações aqui.

Tags:
Igrejateologia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia