Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 25 Junho |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Os comunistas odeiam a Santa Missa

BRAZIL

@renatofreitasvereador

Vanderlei de Lima - publicado em 21/02/22

Rezemos – um Terço ao menos – em reparação à profanação da igreja de Nossa Senhora do Rosário

A recente profanação da igreja de Nossa Senhora do Rosário, em Curitiba (Brasil), por militantes de esquerda portando, inclusive, bandeira comunista, no último dia 5 de fevereiro, traz, uma vez mais, à mente dos fiéis católicos a seguinte constatação: o comunismo odeia a Santa Missa. Reflitamos sobre o assunto neste artigo.

O primeiro ponto – infelizmente pouco falado – é que houve, no ato dos invasores da Igreja, o pecado de sacrilégio. Sim, “o sacrilégio consiste em profanar ou tratar indignamente os sacramentos e as outras ações litúrgicas, bem como as pessoas, as coisas e os lugares consagrados a Deus. O sacrilégio é um pecado grave, sobretudo quando cometido contra a Eucaristia, pois neste sacramento o próprio Corpo de Cristo se nos torna substancialmente presente” (Catecismo da Igreja Católica n. 2120). 

Há, pois, três tipos de sacrilégios: 1) o pessoal, atinge a quem ataca com violência física o Papa, os Bispos, os Sacerdotes, os Diáconos, bem como consagrados(as), pois vivem, em todo o seu ser, para o serviço de Deus, 2) o local, abrange quem invade igrejas, cemitérios, oratórios que tenham sido consagrados e o 3) o real, envolve quem profana objetos sagrados que servem ao culto divino ou à edificação espiritual do Povo de Deus. O mais grave sacrilégio é a profanação da Santíssima Eucaristia.

O segundo ponto a ser considerado é o valor inestimável da Santa Missa. Ela “é o próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus, que ele instituiu para perpetuar pelos séculos, até seu retorno, o sacrifício da cruz, confiando assim à sua Igreja o memorial de sua Morte e Ressurreição. É o sinal da unidade, o vínculo da caridade, o banquete pascal, no qual se recebe Cristo, a alma é coberta de graça e é dado o penhor da vida eterna” (Compêndio do Catecismo da Igreja Católica n. 271). 

Mais: a Eucaristia “torna presente e atual o sacrifício que Cristo ofereceu ao Pai na cruz, uma vez por todas, em favor da humanidade. O caráter sacrificial da Eucaristia se manifesta nas próprias palavras da instituição: ‘Isto é o meu corpo, que é dado por vós’ e ‘Este cálice é a nova aliança no meu sangue, que é derramado por vós’ (Lc 22,19-20). O sacrifício da cruz e o sacrifício da Eucaristia são um único sacrifício. Idênticos são a vítima e o oferente, diferente é apenas o modo de oferecer: cruento na cruz, incruento na Eucaristia” (idem n. 280). 

Tem, portanto, a Santa Missa um valor infinito para atrair as graças divinas sobre a humanidade e frear os males – inclusive do comunismo sem Deus – sobre ela. Ora, os comunistas, via de regra, parecem saber disso, daí buscam, de todos os modos, atentar contra a Eucaristia, os sacerdotes e as igrejas.

É São Manuel González García (1877-1940), bispo espanhol, que viveu a perseguição comunista aos católicos do seu país, na década de 1930, quem nos confirma a existência desse ódio vermelho ao escrever: “O comunismo ateu que esteve a ponto de deixar a Espanha totalmente desolada, a quem perseguiu mais ou contra quem dirigiu com maior fúria seus tiros envenenados? Todos sabemos, porque vimos com os nossos próprios olhos. O principal, o mais odiado e perseguido inimigo do comunismo foi o Sacerdote e principalmente por sua Missa, por celebrar Missa. Provas? Pelo que eu mesmo tive oportunidade de ver, uma das coisas que mais padeceram o furor vermelho foi a ara, o altar, o cálice e o sacrário”. 

E prossegue: “Quanto há para dizer sobre isso! Essa preferência do ódio comunista e selvagem contra a Missa não manifesta a importância e a gravidade, ainda que social, que os vermelhos viam em nossa Missa?” (Se vivêssemos nossas missas: opúsculo sobre o santo sacrifício da Missa. Jundiaí: Professio Fidei, 2021, p. 153-154).

Por tudo isso, rezemos – um Terço ao menos – em reparação à profanação da igreja de Nossa Senhora do Rosário e, com fé, peçamos todos os dias: “Do comunismo, livrai-nos, Senhor!”.

Vanderlei de Lima é eremita de Charles de Foucauld

Tags:
comunismoigrejasMissaPerseguiçãoViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia