Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 23 Maio |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Pe. Zezinho sobre desastres naturais: onde está Deus?

Natureza, temporais e desastres naturais

HE68 | Shutterstock

Pe. Zezinho - Reportagem local - publicado em 21/02/22 - atualizado em 21/02/22

O fato de que nunca houve catástrofes onde moramos não significa que nunca haverá

Diante da frequeência dos desastres naturais e, em particular, das trágicas notícias sobre a devastação provocada em Petrópolis pelo histórico temporal de 15 de fevereiro, que deixou mais de de 170 mortos e mais de 110 desaparecidos até a manhã desta segunda-feira, 21, o pe. Zezinho compartilhou um comentário em sua rede social sobre as dinâmicas da natureza, que não são novidade alguma para nós, humanos, e, mesmo assim, teimamos em ignorar os riscos e não estabelecemos nem exigimos com a devida veemência as políticas elementares de prevenção para a nossa segurança como sociedade.

O pe. Zezinho escreveu sobre os desastres naturais como, justamente, naturais – mas, ao mesmo tempo, passíveis de intensificação em decorrência das ações humanas:

“O que chamamos de ‘natureza’, que às vezes nos encanta e às vezes nos espanta, é a Criação se ajustando. Os humanos ainda não aprenderam a conviver com as outras formas de vida e com a acomodação dos elementos. Esquecem que o mar, as montanhas, os desertos e os vales se movimentam, que a Terra cospe fogo, o planeta cria algumas ilhas e engole outras, o gelo degela e desliza, os rios sobem, o clima muda e ventos às vezes varrem tudo.

O fato de que nunca houve catástrofes onde moramos não significa que nunca haverá. Então, os humanos arriscam e criam cidades, aldeias e vilas onde os estudiosos de geologia preveem mortes. O papel dos políticos e governantes é governar ou dar palpites sobre como utilizar o planeta. E, na maioria das vezes, eles cedem aos que procuram o lucro e, só depois, em última instância, pensam no perigo para a população. Não sendo iminente, deixam as consequências para outros governos… Não tem sido assim no Brasil?

O imponderável pode surpreender-nos em qualquer situação, porque a Terra está sempre em movimento!”

O sacerdote prosseguiu, comentando sobre os desastres naturais e o quanto eles se relacionam com a exploração inadequada do planeta, muito embora guardem relação também com a ordem da criação:

“Quando a Bíblia nos alerta para a brevidade e para imponderabilidade da vida, é porque há milênios já se sabia que catástrofes acontecem e não há governo no mundo que consiga dominar as fúrias do planeta.

E, então, choramos nossos mortos e recomeçamos. Além disso, como em Mariana e Brumadinho, a catástrofe é ação dos que ferem a Terra em busca de recursos e de lucro. E acham que suas máquinas e explosivos que furam o planeta dominarão a natureza. Não dominam.

Faz milênios que os humanos se perguntam onde está o Deus que criou tudo isto! Se você já se fez esta pergunta, olhe para os humanos e para o que fizeram com o solo, com o subsolo; para as florestas e para os rios aéreos que achamos que são apenas nuvens locais. Há águas subterrâneas, águas de superfícies e águas que voam nos céus! E delas depende a vida que há sobre a Terra. Quando as poluímos, a resposta vem em poucos meses ou anos”.

“É claro que somos pela técnica e pelo progresso. Não estaríamos vivos sem isto, desde o arado e a enxada de nossos bisavós. Mas o progresso precisa dos limites da ética. Não se matam as matas! Quem fez isto causou muitos dos desastres dos últimos cinquenta anos no Brasil. Precisavam arar mais e esqueceram de orar e dar espaço para o verde em suas cidades e municípios. Hoje, muitos respiram poeira em suas cidades em perigosas nuvens de pó”.

O pe. Zezinho finalizou:

“As facas e os fósforos que as famílias guardam na cozinha, mal utilizados, acabam em acidentes domésticos; ou em todo o prédio; às vezes, em toda a vizinhança. Bem utilizados, tornam-se uma bênção.

Não culpem o Criador por nossas malcriações. A Terra quer seu espaço, que ela cede, desde que lhe deixem por onde se movimentar. E isto é catequese católica em prol da vida”.

Tags:
NaturezaPolíticaSociedadeTragédia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia