Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 23 Maio |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Justiça manda indenizar enfermeira demitida por se negar a facilitar aborto

Enfermeira demitida por recusar apoio ao aborto

Air Images | Shutterstock

Francisco Vêneto - publicado em 23/02/22

"Os profissionais de saúde não devem ser obrigados a violar sua consciência para manter seu emprego"

O tribunal de primeira instância do estado norte-americano de Illinois determinou no último 16 de fevereiro que seja paga uma indenização a uma enfermeira demitida por ter-se recusado a facilitar o aborto.

Sandra Mendoza Rojas trabalhou durante 18 anos como enfermeira pediátrica e foi demitida em 2015. A justiça decidiu que o condado de Winnebago deve indenizá-la em 374 mil dólares por ter violado a sua liberdade de consciência e de crença. As autoridades locais haviam forçado Sandra a deixar o emprego na clínica do condado porque ela se recusava a encaminhar mulheres a clínicas de aborto ou ajudá-las a obter medicamentos abortivos.

A justiça deu razão a Sandra, que, segundo o portal LifeNews, é católica e defensora da vida humana desde a concepção. O tribunal reconheceu que as autoridades locais violaram os direitos dela à liberade de consciência e de crença religiosa.

A enfermeira demitida contou com a defesa de dois advogados particulares e com a assessoria de Kevin Theriot, advogado sênior da organização cristã ADF International. Theriot comentou sobre o caso:

“Os profissionais médicos nunca devem ser forçados a participar ou promover atividades que violem as suas crenças ou convicções. Sandra atuou como enfermeira de acordo com a sua consciência e religião, um direito dos médicos que é protegido pela lei federal e de Illinois”.

Para o advogado sênior, a sentença favorável a Sandrea é uma “clara mensagem de que os profissionais de saúde são livres para praticar a medicina de maneira coerente com a sua consciência e crenças religiosas” e de que “haverá severa punição se o governo não respeitar essa liberdade legalmente protegida”.

Os advogados particulares de Sandra também reforçaram esta mensagem, registrando que “os profissionais de saúde não devem ser obrigados a violar sua consciência para manter seu emprego”. Eles recordam que “nenhum americano deve ser obrigado a encaminhar para abortos ou ajudar pacientes a ter acesso a abortivos, muito menos profissionais médicos que ingressaram na profissão para seguir a sua fé e salvar vidas, não para tirá-las”.

De fato, tem sido denunciado em diversos países um insistente e antidemocrático ativismo político e judiciário empenhado em reduzir ou até impedir o direito de profissionais de saúde à objeção de consciência, assim como a impedir os cidadãos de se posicionarem livremente contra o aborto e em defesa dos direitos das mães e dos nascituros.

Tags:
AbortoIdeologiaJustiça
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia