Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Setembro |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: O entusiasmo dos astrônomos do Vaticano pelo telescópio James Webb

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Watykańskie Obserwatorium Astronomiczne w Castel Gandolfo

Vandeville Eric/ABACA/EAST NEWS

I.Media para Aleteia - publicado em 15/07/22

Indispensável: seu Boletim Direto do Vaticano de 15 de julho de 2022

  • O entusiasmo dos astrônomos do Vaticano pelo Telescópio James Webb
  • Abuso sexual: “Não tenham vergonha de denunciar”, diz o Papa aos religiosos

O entusiasmo dos astrônomos do Vaticano pelo Telescópio James Webb

Por Cyprien Viet – “Estamos muito felizes por descobrir as novas imagens do telescópio James Webb”, disse o director do Observatório do Vaticano, o jesuíta americano Guy Consolmagno, numa declaração datada de 13 de Julho. O telescópio espacial, lançado da base de Kourou na Guiana Francesa a 25 de Dezembro de 2021 após mais de 30 anos de preparação, está agora a 1,5 milhão de quilómetros da Terra e começou a fornecer imagens de uma precisão sem precedentes de galáxias a 13 bilhões de anos-luz de distância.

As imagens são de cortar a respiração”, escreve Consolmagno, que vê as primeiras observações como “uma antecipação tentadora do que poderemos aprender sobre o universo, com este telescópio, no futuro”. O jesuíta americano – que é consagrado, mas não padre – conecta ciência e espiritualidade, escrevendo que “as imagens são um alimento necessário para o espírito humano”. Não se vive só de pão, especialmente nestes tempos”, observa ele.

Notando que os astrônomos formam “um pequeno campo de pesquisa” e que muitos dos que conseguiram “fazer esta incrível máquina funcionar” são “amigos pessoais”, o Irmão Consolmagno vê o sucesso deste projeto da NASA, desenvolvido em colaboração com as agências espaciais europeias e canadense, “como uma homenagem ao poder do espírito humano, ao que podemos fazer quando trabalhamos em conjunto”.

“A ciência em que este telescópio se baseia é a nossa tentativa de usar a inteligência dada por Deus para compreender a lógica do universo”, explica o jesuíta. Ele observa que através destas observações, “é a criação de Deus que nos é revelada, e nela podemos ver tanto o seu incrível poder como o seu amor pela beleza”.

Espectroscopia, um método fundado por um jesuíta

O Irmão Consolmagno está também “particularmente fascinado por ver o primeiro espectro de vapor de água da atmosfera de um planeta extra-solar”, uma observação sem precedentes possibilitada pelo poder do telescópio James Webb.

Ele recorda que as primeiras medições espectrais da atmosfera dos planetas foram feitas há 150 anos por um jesuíta italiano, Padre Angelo Secchi (1818-1878), que instalou um telescópio no telhado da Igreja de Santo Inácio em Roma. “Só posso imaginar como ele teria ficado feliz por ver como esta ciência, da qual ele foi um dos pioneiros, está agora a ser aplicada a planetas desconhecidos que orbitam estrelas distantes”, diz o Irmão Consolmagno.

O Observatório do Vaticano, cujas origens remontam ao século XVI, é reconhecido no mundo científico como uma das instituições mais prestigiadas do mundo no campo da investigação astronômica.

Devido à poluição luminosa causada pela proximidade da cidade de Roma, o seu trabalho já não se baseia em observações feitas a partir do telescópio de Castel Gandolfo, mas é realizado utilizando um poderoso telescópio instalado perto de Tucson, no deserto do Arizona, nos Estados Unidos. Esta localização reforçou os laços entre esta instituição jesuíta e o mundo académico americano, incluindo o mundo leigo.


Abuso sexual: “Não tenham vergonha de denunciar”, diz o Papa aos religiosos

Por Anna Kurian – Os abusos dentro da Igreja não podem ser resolvidos “transferindo” de um continente para outro, o Papa Francisco advertiu ao receber três congregações religiosas reunidas em capítulos gerais no Vaticano a 14 de Julho. Durante esta audiência, que foi uma exceção nas férias de Verão do Papa, ele também fez questão de recordar a tragédia ucraniana, preocupando-se por estar em vias de ser esquecida.

Em frente dos Clérigos Regulares da Mãe de Deus, dos Basilianos de São Josafat e dos Lazaristas – uma Congregação de Missão fundada na França em 1625 por São Vicente de Paulo – o Papa saiu do seu discurso preparado para evocar o problema dos abusos cometidos contra menores e pessoas vulneráveis. Ele insistiu fortemente numa política de “tolerância zero” para tais abusos. Por favor”, disse ele, “não escondam esta realidade […]. Não tenham vergonha de denunciar”.

“Proteger os outros”

Um problema de abuso, disse também o chefe da Igreja Católica, “não é resolvido por uma transferência. Deste continente, envio-o para outro… Não”. “Somos religiosos, somos sacerdotes para levar pessoas a Jesus”, disse o pontífice, condenando a “concupiscência” do agressor, que “destrói”. Não basta acompanhar o agressor, disse ele aos religiosos, é necessário “proteger os outros”.

“Temos de lutar contra todos os casos” de abusos cometidos na Igreja, o Papa Francisco insistiu numa entrevista à agência britânica Reuters a 2 de Julho. Recordando que o papel de um padre é “ajudar as pessoas no seu crescimento e a salvá-las” e considerando que, pelo contrário, aquele que abusa “mata”, o Papa também tinha recordado a “tolerância zero” da Igreja para casos de abuso.

Não esquecer a tragédia ucraniana

Além disso, o Papa Francisco expressou mais uma vez a sua preocupação com o perigo de se habituar e “esquecer a tragédia ucraniana” que, lamentou, está agora na “página nove” do jornal. Manifestou a sua proximidade aos irmãos basilianos ucranianos, “neste momento de martírio da vossa pátria”. “Toda a Igreja está perto de vocês. Nós os acompanhamos como podemos na sua dor”, acrescentou ele.

Durante o seu discurso, o Papa também pediu aos religiosos que fizessem da evangelização o primeiro critério de discernimento dos seus “métodos”, “instrumentos” e “estilos de vida”. Ele rejeitou tanto “rigidez” como “tolerância excessiva e “conforto”. Criticou o “sorriso artificial”, “a fachada da harmonia” ou “uma homogeneidade achatada pela personalidade do superior ou de alguns líderes”, e apelou a uma “fraternidade livre”.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Abusos SexuaisCiênciaDireto do Vaticano
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia