Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Setembro |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Amazônia tem seu primeiro cardeal

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope Francis leads a mass for the Solemnity of Saints Peter and Paul

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 18/07/22

Indispensável: seu Boletim Direto do Vaticano de 18 de julho de 2022

  • A Amazônia tem o seu primeiro cardeal
  • Papa pede orações para a sua “peregrinação penitencial” ao Canadá
  • No Canadá, João Paulo II destacou os “valores morais e espirituais” dos povos nativos

A Amazônia tem o seu primeiro cardeal

Por Isabella de Carvalho – A 27 de Agosto, o Arcebispo Leonardo Ulrich Steiner, 71 anos, tornar-se-á o primeiro cardeal da região amazónica. Desde 2020, é arcebispo de Manaus, a cidade mais populosa da bacia amazónica e a capital do Estado do Amazonas, no noroeste do Brasil. No entanto, o seu compromisso com a Amazónia e os seus habitantes é antigo, pois ocupou dois cargos episcopais na região e também serviu como bispo auxiliar da diocese da capital brasileira, Brasília, e como secretário-geral do episcopado.

“A minha nomeação não é apenas sobre mim, sabemos que o Papa Francisco tem um carinho especial pela Amazônia e pelas Igrejas de lá. […] E agora, com esta nomeação, mostra mais uma vez quão próximo está das nossas Igrejas, quão próximo está da nossa região”, disse o Bispo Leonardo Steiner aos repórteres numa conferência de imprensa a 30 de Maio de 2022, depois de ter sido anunciado que iria receber o título durante o consistório a 27 de Agosto.

Deveres de ensino

O prelado brasileiro nasceu a 6 de Novembro de 1950 em Forquilhinha, no estado de Santa Catarina, no sul do país, de uma família de origem alemã. Era o décimo terceiro de dezesseis filhos, dois dos quais, uma irmã e um irmão, também abraçaram a vida religiosa. Em 1972 juntou-se à Ordem dos Frades Menores, tal como o seu irmão, e em 1978 foi ordenado sacerdote pelo seu primo, Cardeal Paulo Evaristo Arns, então Arcebispo de São Paulo.

Antes de se tornar bispo e de defender apaixonadamente a Amazónia e os seus habitantes, Dom Leonardo ocupou também vários cargos de ensino e formação para noviços e seminaristas em Roma e no Brasil. Estudou filosofia na Pontifícia Universidade de Santo António em Roma e mais tarde ingressou em seus quadros, ensinando lá de 1999 a 2003.

Servir a Amazónia desde o início dos anos 2000

Em 2005, o Bispo Steiner foi nomeado bispo por João Paulo II e colocado à frente da Prelazia de São Félix do Araguaia, em Mato Grosso, um dos nove estados da bacia amazónica.

Esta área conturbada tem historicamente visto tensões entre os povos indígenas locais e os proprietários de terras, bem como agitação durante a ditadura militar do Brasil nos anos sessenta e setenta. O bispo Steiner sucedeu o bispo espanhol Pedro Casaldáliga, que era um defensor da teologia da libertação e um forte defensor das minorias e dos povos indígenas. Numa entrevista de 2010 com O Diário, o Bispo Steiner disse que não tinha “nenhuma dificuldade em continuar o trabalho” do seu antecessor e que todos os povos indígenas “fazem parte da Igreja”.

Durante o seu mandato como Prelado de São Félix do Araguaia, o Bispo Steiner tornou-se também bispo de referência do Conselho Indigenista Missionário (CIMI) da Conferência Episcopal Brasileira (CNBB), que trabalha para a proteção destes povos e das suas culturas.

O apoio do Bispo Steiner a estes povos continuou após a sua partida de Mato Grosso, pois em 2011 foi eleito Secretário-Geral da CNBB e também Bispo Auxiliar de Brasília, a capital do país, ocupando ambos os cargos até 2019. Neste importante papel, o prelado brasileiro não se coibiu de fazer ouvir a sua voz, individualmente e como representante da CNBB, sobre importantes questões sociais e políticas, incluindo as que dizem respeito à Amazônia e aos povos indígenas do Brasil.

O Bispo Steiner e a CNBB condenaram a corrupção dos políticos brasileiros e apelaram ao diálogo durante as crises de governo. O bispo também criticou o enfoque do governo no agronegócio à custa dos povos indígenas e das suas terras, e apelou aos políticos para não esquecerem estas pessoas.

No coração da região amazónica durante um período difícil

O prelado brasileiro foi finalmente nomeado Arcebispo de Manaus em Novembro de 2019 pelo Papa Francisco, um mês após o grande Sínodo dos Bispos na Amazónia, e foi oficialmente instalado em Janeiro de 2020. Manaus tem mais de dois milhões de habitantes e é um eixo para toda a região. Em 2022, o Bispo Steiner foi também nomeado presidente da Comissão Episcopal Especial para a Amazónia, sucedendo ao Cardeal Claudio Hummes, e vice-presidente da Conferência Eclesial da Região Amazónica (CEAMA).

O Bispo Steiner herdou uma região assolada por crescentes tensões e violência, particularmente desde a eleição do presidente Jair Bolsonaro em 2018, que tem promovido políticas que favorecem o desflorestamento, incentivando a agricultura intensiva em detrimento dos povos indígenas e do meio ambiente.

Numa entrevista a Tutameia em Junho de 2022, reagindo ao assassinato do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira enquanto trabalhavam em áreas remotas da floresta tropical amazónica, o Bispo Steiner descreveu o caso como “um reflexo da violência que a Amazónia está a sofrer”. Lamentou que “a impunidade [aumentou] a violência” e disse que “é necessário que a lei atue, que a justiça atue”. Aqui há uma falta de vigilância e punição”.

“Este não é um bispo que se esconde. Quando ele fala, as pessoas ouvem-no. Desde que se tornou arcebispo de Manaus, entregou uma mensagem forte e profética”, disse ao Crux o padre Luis Miguel Modino, oficial de comunicações da seção regional Norte 1, da qual Manaus faz parte.

Para além dos problemas na Amazónia, Manaus foi também uma das cidades mais afetadas no Brasil durante a pandemia de Covid-19, uma vez que os serviços de saúde não conseguiram tratar o elevado número de infecções. Em Janeiro de 2021, o número médio de mortes no estado do Amazonas subiu para 130 pessoas por dia. No total, mais de 14.000 pessoas morreram desde que a crise começou.

O Bispo Steiner condenou veementemente a resposta do governo à pandemia, dizendo numa entrevista a Tutameia em Fevereiro de 2021 que “foram eleitos para cuidar do povo, mas não é isso que está a acontecer”.

O Padre Zenildo Lima da Silva, reitor do seminário da Arquidiocese de Manaus, disse ao Crux que o Bispo Steiner tem sido extremamente ativo na tentativa de ajudar a população em sofrimento, participando pessoalmente na distribuição de material médico e organizando assistência espiritual e material para as famílias enlutadas.

O Sínodo na Amazónia

Na conferência de imprensa de 30 de Maio de 2022, o futuro Cardeal Leonardo Steiner lembrou aos jornalistas que tinha entregue pessoalmente ao Papa Francisco um pedido dos bispos brasileiros da Amazónia para um sínodo sobre a Amazónia, mostrando assim a sua proximidade à causa. O Sínodo fora então anunciado em 2017 e realizado em Outubro de 2019 e, como secretário-geral da CNBB na altura, o Bispo Steiner acompanhou todos os trabalhos preparatórios.

Enquanto alguns veem o seu cardinalato como um “fruto” do Sínodo sobre a Amazónia, o prelado sentiu que talvez o Papa esteja a pedir às nossas Igrejas que mergulhem realmente no Sínodo, especialmente na exortação Querida Amazônia e no Documento Final.


Papa pede orações para a sua “peregrinação penitencial” ao Canadá

Por Cyprien Viet – “No próximo domingo, se Deus quiser, partirei para o Canadá”, recordou o Papa Francisco no final da oração do Angelus no domingo 17 de Julho, antes de 12.000 fiéis reunidos na Praça de São Pedro. O chefe da Igreja Católica recordou o significado desta “peregrinação penitencial”, dirigindo-se diretamente aos “irmãos e irmãs do Canadá” que ele está prestes a visitar.

“Irei entre vós especialmente, em nome de Jesus, para me encontrar e abraçar os povos nativos”, recordou o Papa, reconhecendo que “infelizmente, no Canadá, os cristãos, incluindo alguns membros de institutos religiosos, contribuíram para políticas de assimilação cultural, que no passado prejudicaram gravemente as comunidades nativas”, especialmente em escolas residenciais onde foram documentados numerosos abusos.

“Por esta razão, recebi recentemente no Vaticano grupos de representantes dos povos indígenas, aos quais manifestei o meu pesar e solidariedade pelos danos que sofreram”, recordou o primeiro Bispo de Roma das Américas, particularmente sensível ao tema da “colonização ideológica”, que denuncia constantemente.

Um caminho de cura e reconciliação

Entre 24 de Março e 1 de Abril de 2022, o Papa teve tempo para ouvir várias delegações de bispos e representantes das Primeiras Nações, Inuit e Métis do Canadá no Vaticano. Pediu perdão pelos erros cometidos pela Igreja e anunciou a sua vontade de viajar em breve para o Canadá para se encontrar com os povos indígenas no seu país.

“E agora estou prestes a fazer uma peregrinação penitencial que espero, com a graça de Deus, contribua para o caminho de cura e reconciliação já empreendido”, assegurou o Papa. Francisco agradeceu aos organizadores o trabalho de preparação e o acolhimento que lhe será dado, e apelou a todos aqueles que o estavam a ouvir que o acompanhassem com as suas orações.

Muitas perguntas rondavam esta viagem, após os sucessivos cancelamentos de várias viagens previstas pelo Papa, a Florença em Fevereiro, ao Líbano em Junho (uma viagem que tinha sido anunciada pelas autoridades libanesas e não pela Santa Sé), e à República Democrática do Congo e Sudão do Sul no início de Julho, por causa do problema de joelho do Papa. A saúde do Papa, que foi visto de pé várias vezes nos últimos dias, parece ter melhorado, e esta viagem através do Atlântico foi finalmente confirmada.

De 24 a 30 de Julho, esta 37ª viagem apostólica do Papa, cujo ritmo foi ajustado para ter em conta as suas dificuldades de locomoção, irá levá-lo a Edmonton e à cidade do Quebeque, mas também a Iqaluit, a capital do território inuíte, Nunavut, um novo destino para um Papa.


No Canadá, João Paulo II destacou os “valores morais e espirituais” dos povos nativos

Por Cyprien Viet – “O sentido agudo da presença de Deus” que os povos nativos carregam foi realçado por João Paulo II durante as suas visitas ao Canadá em 1984, 1987 e 2002. Alguns dias antes do início da viagem apostólica do Papa Francisco ao Canadá, I.MEDIA olha para as etapas canadenses do pontificado do papa polaco, que foi o único papa a visitar este vasto país norte-americano, marcado por correntes contraditórias, entre a piedade popular e a secularização.

1984: uma vasta viagem através da imensidão canadense

A primeira viagem de João Paulo II a este vasto país, de 9 a 20 de Setembro de 1984, foi particularmente densa, com nada menos que 49 intervenções, incluindo tanto discursos físicos como emissões de rádio. A Conferência Episcopal Canadense recorda no seu website que o Papa polaco liderou uma vasta “maratona” de 15.000 quilómetros cobrindo as enormes distâncias que separam as diferentes cidades do país.

O papa que se encontrava a fazer a sua 24ª viagem apostólica fora de Itália, foi sucessivamente para o Quebeque (Quebeque, Sainte-Anne de Beaupré, Trois-Rivières, Montreal), Terra Nova (Flatrock, Saint John), New Brunswick (Moncton), Nova Escócia (Halifax), Ontário (Toronto, Huronia), Manitoba (Winnipeg), Alberta (Edmonton) e British Columbia (Vancouver), antes de regressar ao Quebeque para uma missa em Hull e ao Ontário para uma série de reuniões de conclusão na capital federal, Otava.

A sua estadia no Quebeque foi marcada a 10 de Setembro de 1984 pelo seu encontro com as delegações aborígenes no santuário de Sainte-Anne de Beaupré, que o Papa Francisco visitará também a 28 de Julho. Num amplo discurso, o Papa polaco prestou uma sincera homenagem à transmissão da fé pelos próprios nativos, “aqueles missionários valentes e aqueles cristãos corajosos que carregam dentro de si o sangue e a cultura dos primeiros habitantes deste país”.

Muito ligado à piedade popular, o Papa polaco prestou também homenagem aos “valores morais e espirituais” das comunidades indígenas: “o sentido agudo da presença de Deus, o amor da vossa família, o respeito pelos idosos, a solidariedade com o vosso povo, a partilha, a hospitalidade, o respeito pela natureza, a importância dada ao silêncio e à oração, a fé na Providência”. “Guardai cuidadosamente esta sabedoria”, insistiu o Papa polaco, convidando-os a “eliminar todas as formas de escravatura que possam pôr em perigo o vosso futuro”.

O primeiro papa eslavo, numa época ainda marcada pela Guerra Fria, também aproveitou a sua estadia para saudar os emigrantes polacos e eslovacos em Toronto. Outros destaques da longa viagem incluíram a bênção de barcos de pesca em Flatrock, uma pequena cidade no extremo oriental da Terra Nova, e uma reunião de 60.000 jovens no dia 11 de Setembro de 1984 no Estádio Olímpico em Montreal.

Entre os jovens católicos envolvidos no entretenimento musical neste evento estava a filha mais nova de um grupo de 14 crianças de Carlos Magno, uma pequena cidade na zona de Montreal. Esta menina de 16 anos, uma certa Céline Dion, causou uma impressão duradoura com a sua voz poderosa quando cantou o hino do encontro, e tornar-se-ia uma celebridade mundial alguns anos mais tarde.

1987: uma escala especificamente dedicada aos povos indígenas

A escala de 1984 em Fort Simpson, Northwest Territories, foi cancelada por razões meteorológicas, mas o Papa manteve a sua promessa de regressar três anos mais tarde como o culminar de uma passagem pelos Estados Unidos. A 20 de Setembro de 1987, João Paulo II encontrou-se com os povos indígenas desta remota aldeia do norte do Canadá, que estava centralmente localizada para reunir os fiéis “de longe – do Ártico congelado, das pradarias, das florestas, de todas as partes deste vasto e belo país do Canadá”, disse João Paulo II.

O Papa recordou-lhes o compromisso secular da Igreja com os seus direitos. “Permitam-me recordar que no início da presença da Igreja no Novo Mundo, o meu predecessor, o Papa Paulo III, em 1537, proclamou os direitos dos povos indígenas da época. Afirmou a sua dignidade, defendeu a sua liberdade e disse que não podiam ser escravizados ou privados dos seus bens ou propriedades. Esta tem sido sempre a posição da Igreja”, disse o Papa polaco. “A minha presença hoje entre vós marca uma reafirmação deste ensinamento”, disse ele.

2002: WYD Toronto, um encontro marcado pelo choque do 11 de Setembro

A terceira – e última até hoje – viagem de um papa ao Canadá foi a de João Paulo II há 20 anos atrás, por ocasião da JMJ em Toronto, realizada de 23 a 28 de Julho de 2002, que reuniu 800.000 jovens de todo o mundo. Embora muito fraco, o papa polaco colocou toda a sua energia na sua última Jornada Mundial da Juventude, e surpreendeu os observadores ao assumir o esforço de descer lentamente as escadas à medida que descia do avião, em vez de utilizar o elevador fornecido para lhe poupar o esforço que não tinha sido capaz de fazer na sua viagem anterior à Bulgária.

“Esta grande peregrinação da juventude”, que ele desejava fortemente que regressasse à América do Norte nove anos após a JMJ em Denver, “para aqui, nas margens do Lago Ontário, o que nos faz lembrar outro lago, o de Tiberíades, nas margens do qual o Senhor Jesus dirigiu uma proposta atraente aos primeiros discípulos, alguns dos quais eram provavelmente jovens como vós”, disse João Paulo II no seu primeiro discurso aos jovens.

João Paulo II falou especificamente aos canadianos neste evento internacional, mas referiu-se aos ataques de 11 de Setembro de 2001 nos Estados Unidos, que fazem fronteira com a área de Toronto. “O novo milénio começou com dois acontecimentos contraditórios: a multidão de peregrinos que veio a Roma durante o Grande Jubileu para atravessar a Porta Santa, que é Cristo, o Salvador e Redentor do homem; e o terrível ataque terrorista em Nova Iorque, um ícone de um mundo em que a dialética da inimizade e do ódio parece prevalecer”, disse João Paulo II.

Antes de deixar a sua residência, o Papa polaco saudou um grupo de jovens indígenas da região da Beata Kateri Tekakwitha. “Chamais-lhe kaiatano (pessoa muito nobre e digna): que ela seja um modelo para vós, mostrando-vos como os cristãos podem ser sal e luz da terra!” disse João Paulo II no seu último discurso em solo canadense.

O Papa Francisco será o primeiro Bispo de Roma a visitar o Canadá desde João Paulo II, mas ele veio ao Canadá antes da sua eleição. Como Arcebispo de Buenos Aires, o Cardeal Jorge Mario Bergoglio foi um dos oradores do Congresso Eucarístico Internacional na Cidade do Quebeque em 2008, a convite do Cardeal Marc Ouellet, então Arcebispo da Cidade do Quebeque.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
CardeaisDireto do VaticanoPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia