Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Setembro |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Europa: converter-se do islã ao cristianismo é perigoso, diz relatório

Muçulmanos na França

BERTRAND GUAY / AFP

Francisco Vêneto - publicado em 19/07/22

"Um convertido pode ser descoberto e ameaçado, agredido ou até assassinado por um islamista que ele sequer conhecia"

Na Europa, converter-se do islã ao cristianismo é perigoso, afirma um novo relatório divulgado pelo Centro Europeu para a Lei e Justiça. O documento, intitulado “A perseguição a cristãos ex-muçulmanos na França e na Europa”, conclui que os muçulmanos que moram no velho continente correm riscos elevados de perseguição quando abraçam o cristianismo.

Segundo o relatório, apresentado neste começo de julho, é “no mínimo difícil” e “geralmente perigoso”, para um muçulmano, abandonar a sua religião. O cenário se aplica nomeadamente à França, mas se estende com nuances a todo o continente.

O documento descreve:

“Na sua grande maioria, as pessoas que deixam o islamismo para aderir ao cristianismo sofrem perseguição familiar e comunitária, com graus de intensidade que variam muito entre o desprezo e a violência. A perseguição, em primeiro lugar, é dentro da própria família (pais, cônjuge, irmãos, primos etc.), e, em segundo lugar, é comunitária. Acontece na vida real e também nas redes sociais, onde os muçulmanos estão muito presentes e ativos”.

O relatório detalha os riscos acarretados pela perseguição contra quem ousa converter-se do islã ao cristianismo:

“Alguns muçulmanos fazem campanhas de intimidação e investigação para procurar e reprimir os convertidos [ao cristianismo]. Pode acontecer, portanto, que um convertido seja descoberto e ameaçado, agredido ou até assassinado por um islamista que ele sequer conhecia”.

O pecado da apostasia

O documento reforça o impacto da “sharia”, ou lei islâmica, no caso dos muçulmanos convertidos ao cristianismo, dado que, do ponto de vista do fundamentalismo islâmico, que abandona a fé muçulmana comete o gravíssimo pecado da apostasia (“ridda“). A apostasia é explicitamente condenada pelo Alcorão e pela recopilação de palavras de Maomé (“hadith“).

Em países europeus como a França, a sharia não tem nenhum reconhecimento legal, mas isso não impede que ela seja adotada por algumas “comunidades muçulmanas locais, suficientemente grandes e radicalizadas”. Cenários semelhantes podem ser observados em outros países com presença volumosa de muçulmanos, como a Alemanha, a Bélgica, a Holanda e o Reino Unido, e mesmo em vários com presença menor.

Já em alguns países do Oriente Médio ou do norte da África, onde a sharia é adotada oficialmente, quem chega a converter-se do islã pode ser privado da sua parte na herança familiar. O documento cita o Marrocos como um país em que este cenário pode ser comum: “Basta que um familiar denuncie que o filho herdeiro não é mais muçulmano para que ele perca a sua parte da herança”.

Mas a perda da herança é uma das consequências “menos sombrias” da apostasia islâmica. De acordo com o relatório do Centro Europeu para a Lei e Justiça, os graus de violência contra os convertidos variam do “desprezo e agressão verbal”, passando pela expulsão da família, até casos extremos como linchamento público e assassinato sumário. Há também uma notável incidência de casamentos forçados no caso de menores que se convertem, como tentativa de “reverter” a conversão e obrigá-los a manter-se muçulmanos.

O relatório registra que “a maioria dos muçulmanos geralmente reage com uma punição de ‘morte social'”, mas acrescenta que “islamistas como os salafistas ou a Irmandade Muçulmana tendem a ‘limpar’ o escândalo causado pelo convertido aplicando uma perseguição mais radical”.

O Centro Europeu para a Lei e Justiça destaca, no relatório, que essa perseguição pode atingir cerca de 30 mil pessoas só na França. Ainda assim, o documento registra que “cerca de 300 pessoas de origem muçulmana recebem o batismo na Igreja Católica a cada ano”.

Tags:
ConversãoCristianismoMuçulmanosPerseguição
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia