Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 15 Agosto |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Cardeal Müller afirma que o Caminho Sinodal Alemão já nasceu condenado

Cardeal Gerhard Müller questiona o Caminho Sinodal Alemão

MAREK MALISZEWSKI/REPORTER

Francisco Vêneto - publicado em 04/08/22

"O que eles buscam só gera divisão", lamentou o prefeito emérito da congregação para a Doutrina da Fé

O cardeal Gerhard Müller, prefeito emérito da congregação vaticana para a Doutrina da Fé, afirmou que o controverso Caminho Sinodal Alemão já nasceu “condenado desde o início” e que “os seus iniciadores ainda não perceberam isto”.

A congregação para a Doutrina da Fé é a mesma que foi presidida durante anos pelo cardeal Joseph Ratzinger, até a sua eleição ao pontificado como Papa Bento XVI. O prefeito desse dicastério vaticano, portanto, é uma das máximas autoridades da Igreja no tocante a qualquer assunto de doutrina católica.

Müller, que comentou sobre o Caminho Sinodal Alemão durante uma entrevista à rede católica EWTN, considerou que esse polêmico processo de discussões entre bispos e leigos alemães, iniciado em dezembro de 2019, não reflete de fato a “sinodalidade” nem é propriamente um “caminho”, parecendo-se, em vez disso, com uma “organização política” que se considera “na vanguarda de toda a Igreja”.

De fato, o Caminho Sinodal Alemão pretende discutir assuntos como o exercício do poder e o papel das mulheres na Igreja, mas também adentra em questões doutrinais como a natureza do sacerdócio e a moral sexual, que decorrem do que Cristo estabeleceu e, portanto, não podem ser modificados pela Igreja.

Os participantes dos debates já aprovaram “sugestões” como a de extinguir o celibato obrigatório dos sacerdotes, ordenar mulheres como sacerdotisas, permitir a Comunhão a divorciados em segundas núpcias e até mesmo a não católicos e alterar a moral sexual especialmente no tocante à homossexualidade. Recentemente, a própria co-presidente do Caminho Sinodal Alemão, a leiga Irme Stetter-Karp, chegou a pedir “mais acesso” ao aborto, o que é absolutamente incompatível com a fé católica.

Diante de tantos desvios da doutrina da Igreja, o cardeal Müller afirmou:

“A Revelação é confiada à Igreja para ser fielmente preservada, e não como o Caminho Sinodal quis fazer desde o início, ou seja, como uma assembleia que, de alguma forma, teria o direito e a autoridade de ir além da constituição sacramental da Igreja e reinterpretar a Revelação”.

E concluiu:

“O que eles buscam só gera divisão”.

Müller criticou em especial a recente resposta do Caminho Sinodal Alemão à Santa Sé, que, em 21 de julho, havia declarado, mediante nota, que certos aspectos da iniciativa alemã representam “uma ameaça à unidade da Igreja”. Os dois co-presidentes do Caminho Sinodal, dom Georg Bätzing e Irme Stetter-Karp, retrucaram à nota dizendo-se “irritados” com o modo de comunicação da Santa Sé, que lhes pareceu inadequado.

Para o cardeal Müller, esta resposta do Caminho Sinodal Alemão é “intolerável” e “não tem nada a ver com sinodalidade e colegialidade,nem mostra respeito pelo ministério episcopal”.

Müller também foi enfático ao deplorar a postura de Irme Stetter-Karp em relação ao aborto:

“Quem apoia estes crimes para toda a população não pode ser um reformador da Igreja”.

O cardeal reforçou, finalizando:

“A Igreja não é objeto de nossa reforma. A Igreja foi fundada por Cristo, não pode ser reformada porque é insuperável; nós só podemos trilhar o caminho e esse caminho é o do arrependimento e da renovação. Temos que reformar a nós mesmos e renovar a nós mesmos em Jesus Cristo e assim responder aos desafios de hoje”.

Tags:
DoutrinaIgreja Católica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia