Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 15 Agosto |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: A agenda ocupada do Papa Francisco

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope-Francis-disembarks-his-airplane-at-the-Quebec-airport-AFP

VINCENZO PINTO | AFP

I.Media para Aleteia - publicado em 04/08/22

Indispensável: seu Boletim Direto do Vaticano de 4 de agosto de 2022

  • Os meses ocupados do Papa Francisco
  • Dois anos após a explosão no porto de Beirute, o Papa defende um “caminho de renascimento”
  • A viagem penitencial ao Canadá “traz esperança”, diz Francisco

Os meses ocupados do Papa Francisco

Por Camille Dalmas – O Papa Francisco, que recentemente admitiu que não podia manter “o mesmo ritmo de viagem de antes”, está no entanto a preparar-se para um novo período atarefado, com início no final de Agosto de 2022. Para além de três viagens na Itália – L’Aquila, Assis, Matera – e um consistório, o pontífice visitará o Cazaquistão e ainda planeja honrar a sua promessa de ir a Kiev.

O estado do Papa Francisco no seu regresso da sua longa viagem ao Canadá de 24 a 30 de Julho foi um indicador esperado tanto pela Santa Sé como pelos observadores. O chefe da diplomacia do Vaticano, o Arcebispo Paul Richard Gallagher, tinha anunciado que os planos futuros do pontífice – em particular a viagem à capital ucraniana, que o papa tinha dito querer fazer o mais depressa possível – dependiam em grande parte da sua capacidade de superar a viagem canadense e os seus quase 20.000 km de avião.

Uma viagem adaptada às suas limitações de saúde

A viagem através do Atlântico tinha sido concebida para evitar cansaço desnecessário ao Papa, que sofreu muito com o joelho este ano: todas as viagens num único avião da ITA Airways, especialmente equipado para o pontífice; não mais voos de helicóptero; uma limitação a um máximo de cerca de uma hora de todas as viagens e eventos de automóvel; utilização quase sistemática da cadeira de rodas; e, finalmente, não mais o tradicional embarque do avião pelas escadas. Finalmente, muitas faixas de tempo tinham sido deixadas vazias para permitir a sua recuperação.

No avião de regresso a casa, o papa de 85 anos insinuou que isto poderia tornar-se a norma a partir de agora. “Penso que na minha idade, e com estas limitações, tenho de me poupar um pouco para poder servir a Igreja, ou pelo contrário, pensar na possibilidade de me pôr de lado”, acrescentou ele. “De momento, nada muda”, assegurou o Papa, antes de temporizar: “Mas vamos ver o que a minha perna me diz”.

Três dias mais tarde, o Papa anunciou uma próxima viagem de três dias ao Cazaquistão, a quase 5.000 km de distância. O Papa descreveu a sua visita a Nur-Sultan para um congresso inter-religioso como uma “viagem tranquila”, e o programa não inclui nenhuma viagem fora da capital do Cazaquistão.

Uma agenda muito preenchida

No entanto, a próxima viagem internacional do Papa faz parte de uma agenda já cheia. A 27 de Agosto, o Papa Francisco estará primeiro em Roma para um consistório durante o qual criará vinte novos cardeais. No dia seguinte, viajará para L’Aquila, a 100 km de Roma, para a cerimónia jubilar do Perdão Celestino de quase mil anos de idade. A 4 de Setembro, deverá presidir à Missa de beatificação do seu predecessor João Paulo I em Roma.

No final de Setembro, depois do Cazaquistão, viajará duas vezes pela Itália: a Assis, na Úmbria, pela sexta vez, por ocasião do encontro “A Economia de Francisco”, depois a Matera, em Basilicata, para o Congresso Eucarístico Nacional.

Uma viagem a Kiev?

Entretanto, o projeto de uma viagem a Kiev, que ainda está na ordem do dia mesmo que nenhuma data tenha sido ainda oficialmente mencionada, poderia ser concluído. Uma viagem que parece complicada, como o Bispo Gallagher – que fez pessoalmente a viagem em Maio passado – explicou numa entrevista ao portal Katholisch.de.

“Não é fácil chegar a Kiev ou Lviv”, explicou o Secretário para as Relações com os Estados, referindo-se a uma “longa viagem” de dois dias para o Papa, que seria não só de avião mas também “de carro ou trem”. “Penso que o Papa quer resolver este problema o mais depressa possível”, insistiu ele.


Dois anos após a explosão no porto de Beirute, o Papa defende um “caminho de renascimento”

Por Camille Dalmas – Na véspera do segundo aniversário da explosão no porto de Beirute a 4 de Agosto de 2020, o Papa Francisco encorajou o Líbano a “percorrer um caminho de renascimento” no final da audiência geral. Disse esperar que o país dos Cedros permanecesse fiel à sua “vocação para ser uma terra de paz e pluralismo onde diferentes comunidades e religiões possam viver em fraternidade”.

Francisco teve um pensamento especial para as famílias das 215 vítimas desta tragédia, e mais amplamente para o seu “querido povo libanês”. Rezou para que “todos possam ser consolados pela fé, mas também confortados pela justiça e pela verdade”, insistindo que esta última “nunca pode ser escondida”. A investigação do governo tem sido fortemente criticada no seio da sociedade libanesa e, até à data, tem sido mal sucedida.

Participando na reconstrução do país

O Papa Francisco encorajou uma vez mais a comunidade internacional a participar na reconstrução do país, que foi duramente atingido por uma recessão económica, amplificada por um impasse político e por uma forma de desintegração social.

A explosão no porto de Beirute, resultante da detonação acidental de 2.750 toneladas de nitrato de amónio armazenadas no porto, corresponde simbolicamente à crise generalizada que atualmente afeta o país.

Tensões renovadas

A mensagem do Papa chega alguns dias depois de terem surgido fortes tensões entre as comunidades religiosas do Líbano. A prisão de um bispo maronita que regressava de Israel por membros do Hezbollah desencadeou uma disputa entre o episcopado maronita e a organização islâmica xiita que governa grande parte do país.

Francisco disse repetidamente que queria visitar o Líbano, e uma viagem planejada em Junho foi mesmo cancelada devido ao estado físico do pontífice. Quando perguntado por I.MEDIA, uma fonte diplomática do Vaticano mencionou recentemente o plano do Papa para viajar em Novembro. Ele estimou que a mesma teria lugar após as eleições presidenciais, que deveriam conduzir ao fim do mandato do Presidente Michel Aoun a 31 de Outubro.


A viagem penitencial ao Canadá “traz esperança”, diz Francisco

Por Camille Dalmas – O Papa Francisco elogiou a “contribuição indispensável” dos povos indígenas do Canadá “para uma humanidade mais fraterna que sabe amar a criação e o Criador” durante a audiência geral de 3 de Agosto de 2022. Ele recordou as diferentes etapas e ensinamentos da sua “peregrinação penitencial” que realizou de 24 a 30 de Julho de 2022 ao país. Explicou que se tratava de uma viagem “diferente das outras”, porque foi empreendida para “escrever uma nova página” na história das relações entre a Igreja Católica e os povos indígenas.

O Papa recordou a origem desta viagem: expressar a sua proximidade e dor, e depois “pedir perdão” aos povos indígenas pelo “mal que lhes foi feito pelos cristãos” no passado. O Papa recordou que enquanto alguns católicos têm estado “entre os mais resolutos e corajosos defensores da dignidade dos povos indígenas”, outros participaram nos programas “inaceitáveis e contrários ao Evangelho” das escolas residenciais.

Na sua primeira parada, em Edmonton, o Papa foi primeiro a Maskwacis para fazer um memorial no local de uma antiga escola residencial. Isto foi tanto para recordar a “boa memória da história milenar dos seus povos”, mas também a “dolorosa memória dos abusos” cometidos nas escolas residenciais “devido às políticas de assimilação cultural”, explicou o pontífice.

Depois desse memorial, Francisco celebrou duas missas, numa paróquia aborígene e depois no estádio de Edmonton, num processo de “reconciliação” que não é um “compromisso”, insistiu ele, mas uma redescoberta. Em particular, destacou a capacidade das comunidades que se tornaram católicas para ajudar o mundo a redescobrir a “dimensão cósmica” da Cruz e da Eucaristia. Finalmente, o Papa visitou o Lago Santa Anano dia da festa dos santos avós de Cristo, numa etapa final de “cura”, não só para os povos indígenas mas para todas as comunidades cristãs. A partir deste processo de recordação, reconciliação e cura, concluiu, “nasce a esperança para a Igreja e para todos os outros lugares.

Contra a colonização ideológica

O Papa Francisco viajou então para a cidade de Quebec onde se encontrou com as autoridades. Agradeceu-lhes o seu caloroso acolhimento. Antes deles, ele afirmou a “vontade ativa” da Santa Sé e da Igreja de “promover as culturas aborígenes”. Também os advertiu contra uma “colonização ideológica” ainda ativa que ameaça as tradições, especialmente as religiosas, “nivelando as diferenças”, e pregou uma “harmonia entre modernidade e culturas ancestrais, entre secularização e valores espirituais”. Falando aos católicos reunidos no santuário de Sainte-Anne-de-Beaupré, lembrou-lhes então que esta harmonia era a missão da Igreja e pediu-lhes que fossem “construtores de esperança”. O Papa Francisco também elogiou fortemente a “unidade do episcopado canadense”.

Finalmente, o Papa Francisco foi a Iqaluit, “a 300 km do Círculo Ártico” em terra inuíte, para um encontro com jovens e idosos. Jovens e idosos, insistiu, devem estar “em diálogo para caminharem juntos na história entre a memória e a profecia”. O tema dos idosos – em particular a sua relação com as novas gerações – é também o tema das reflexões que o Papa fez durante as audiências gerais antes das tradicionais férias de Verão europeu em Julho. O pontífice irá provavelmente retomar este ciclo de ensinamentos na próxima audiência a 10 de Agosto.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoLíbanoPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia