Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 03 Fevereiro |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Emilce Cuda: O Papa não é comunista, mas como ele poderia não falar de economia?

Ary Waldir Ramos Díaz - publicado em 26/09/22

Por que alguns setores, até mesmo católicos, prefeririam que o Papa Francisco não falasse de economia? Quem responde é Emilce Cuda, secretária da Pontifícia Comissão para a América Latina: a mulher mais familiarizada com o pensamento social e teológico do Papa

O Papa convidou jovens economistas, ativistas e empresários católicos de todo o mundo a trabalhar em conjunto num “pacto” para dar uma alma à economia de amanhã. No entanto, há setores e grupos que gostariam que o Papa não falasse de uma “economia que mata”; e ainda menos que promovesse um movimento juvenil que se reuniu em Assis para repensar a economia nos passos de São Francisco.

A igreja, com todas as suas estruturas, é obrigada a denunciar o mal causado por uma economia desumanizante. “Não falar da economia é ridículo”, diz Emilce Cuda, secretária da Pontifícia Comissão para a América Latina, à Aleteia. A palavra “economia” provém desta situação vital formada por dois conceitos precisos da língua grega: oìkos e nomòs, que significam “casa” e “ordem”, respectivamente. Por outras palavras, explica Cuda, trata-se de “como organizamos a casa”.

Emilce Cuda é uma discípula do teólogo Juan Carlos Scannone e do filósofo político argentino Ernesto Laclau. “Não falar de economia é impensável”. Parta do pressuposto de que qualquer casal que se case tem de começar a ver como vai pagar a conta de luz, o gás e a comida”, argumenta ela. “A sobrevivência de cada um de nós, de cada casal que se casa, depende do planejamento econômico; sem economia não há vida”, acrescenta ela.

E admite que “o mal penetrou nesta estrutura econômica”. “A economia é uma coisa boa. Mas quando a economia é utilizada para atingir um fim totalmente egoísta, acaba por destruir o planeta, de modo que a economia se torna um ataque à vida”; e assim torna-se “um ataque à obra de Deus, que é a criação”.

Emilce Cuda

“Como pode alguém dizer que o Papa não deve falar sobre a economia?”

A teóloga sublinha que não temos apenas “o mandato no Antigo Testamento de falar sobre a obra de Deus, mas de cuidar dela e desenvolvê-la”. “Portanto, se existe uma economia que está a minar a obra de Deus, quem poderia pensar no Santo Padre, que é o Sumo Pontífice, não se preocupando com a obra de Deus?”

Ela assinala que tal questão é uma “deformação maligna”. Pois “parece que o mal não existe em lado nenhum”. Ela recorda que “rezamos no Pai Nosso todos os dias: ‘Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal'”. Contudo, quando “chegamos ao ponto de dizer que o mal penetrou nestas estruturas econômicas para destruir a vida, é-nos dito que somos loucos, que somos medievais”.

Neste sentido, diz ela, o Papa, e não só: todas as estruturas de governo no Vaticano, os vários disastres, a cúria romana, os teólogos no mundo, são obrigados a denunciar uma economia que mata.

“Há pessoas amarradas a uma árvore para que não a cortem. Os povos nativos estão a cuidar da criação. Como pode então alguém dizer que o Papa não deve falar de economia? Penso que eles não compreendem que quando o Papa fala de economia, ou quando qualquer um de nós o faz, estamos a cuidar da obra que Deus nos confiou, que é o mundo e as pessoas”, reitera Cuda, que também é membro da Academia Pontifícia para a Vida.

“O Papa não é um comunista”

“Não queremos saber se as pessoas querem acumular riqueza e não o fazem à custa de indivíduos ou povos. Isso não é errado. O Papa não é comunista. Na Argentina não há comunismo. Não pensamos que trabalhadores e patrões sejam inimigos. Temos uma cultura mais nacional e popular onde pensamos que empregadores e trabalhadores dialogam socialmente e isso é chamado “acordo coletivo de trabalho”; por isso, no Rio de la Plata, no Sul, não pensamos que o empregador deva ser destruído, pelo contrário”.

É de notar que a Pontifícia Comissão para a América Latina foi criada em 1958 para controlar a Teologia da Libertação. E com o Papa Francisco – explicou Cuda – a missão desta comissão é promover o desenvolvimento humano integral, de acordo com a Encíclica “Laudato Si”, o atual Magistério Pontifício, e o caminho traçado por Fratelli Tutti.

Emilce Cuda

A especialista assegura que na biografia do pensamento social do Papa e na história do seu país, “o capitalismo e o empreendedorismo não se confundem, uma vez que são coisas diferentes. O empresário é importante porque é ele que assume riscos, é ele que gera emprego, é ele que sofre mais do que os empregados todas as manhãs para lhes garantir trabalho”.

“A cultura argentina é uma cultura sindical; portanto, é uma cultura que compreende que o pacto social, o acordo de negociação coletiva, tem a ver com respeito”; e “há um reconhecimento de interlocutores válidos de um lado e do outro”, diz Cuda, também autora do livro Para leer a Francisco: Teología, ética y política (Ed. Manantial, Buenos Aires, 2016).

“O Papa pertence a essa cultura latino-americana. Agora, se quiserem compreender as palavras do Papa em termos europeus, bem, então poderiam dizer que ele é um comunista. E se quiserem compreender as palavras do Papa em termos dos anos 50, poderiam dizer que ele é um fascista. Na realidade, ele não é nem comunista nem fascista. O Papa é católico.

“O Papa é um grande defensor dos homens e mulheres de negócios”

“Agora, quando o pacto é quebrado, quando não há mais trabalho, quando o homem de negócios vende a sua empresa e se torna um financista, é outra coisa. Porque não só não há trabalho, como também não há diálogo, não há nada. E é isso que está a acontecer no nosso continente. “Quando pensamos num empresário, não temos de pensar nas grandes multinacionais. A América Latina está cheia de empresários, empresários que são importantes para os trabalhadores”.

O empresário é fundamental na América Latina. É fundamental porque quando dizemos que 62% da população mundial não tem trabalho, aí estão também empresários. Quando pensamos num trabalhador, pensamos no último elo da cadeia de produção. O empresário é um trabalhador. O Papa fala muito bem e defende muito os empresários“.

Emilce Cuda recomenda a leitura do discurso do pontífice em Gênova em 2017 onde o Papa afirma que “uma doença da economia é a transformação progressiva dos empresários em especuladores” e onde ele aplaudiu os “muitos empresários verdadeiros, empresários honestos que amam os seus trabalhadores, que amam a empresa, que trabalham em conjunto com eles para fazer avançar a empresa”.

De fato, Francisco recordou ainda ontem que “nos últimos quinze anos, o mundo tem passado por crises graves e contínuas. Não tínhamos acabado de enfrentar a crise financeira de 2008 quando tivemos de enfrentar a crise da dívida, depois a pandemia, e depois a guerra na Ucrânia com as suas consequências e ameaças globais”.

Tags:
CaridadecomunismoEconomiaPapa FranciscoPobrezaPolítica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!