Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 27 Janeiro |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano – Concílio Vaticano II: “Uma Igreja apaixonada por Jesus não tem tempo para confrontos”, diz Papa

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope-Francis-celebrates-a-Holy-Mass-to-the-60th-anniversary-of-the-beginning-of-the-second-Vatican-Ecumencial-Council-Antoine-Mekary-ALETEIA

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 12/10/22

Boletim Direto do Vaticano de 12 de outubro de 2022

  1. Vaticano II: “Uma Igreja apaixonada por Jesus não tem tempo para confrontos”, diz Francisco
  2. Como é que o Papa escolhe um bispo?

1Vaticano II: “Uma Igreja apaixonada por Jesus não tem tempo para confrontos”, diz Francisco

Por Camille Dalmas: “Quantas vezes, depois do Concílio, os cristãos tentaram escolher um lado na Igreja, sem se aperceberem que estavam a rasgar o coração da sua Mãe”, lamentou o Papa Francisco durante a sua homilia na Missa de celebração do 60º aniversário da abertura do Concílio Vaticano II a 11 de Outubro. O pontífice criticou duramente aqueles que favorecem o seu “grupo”, lembrando que só juntos é que os católicos formam o “rebanho” de Deus.

Tal como os Padres do Concílio há sessenta anos – a 11 de Outubro de 1962 – cem cardeais e bispos da Cúria entraram na nave da Basílica de São Pedro em procissão através da porta central. Marcharam diante de S. Papa João XXIII, o iniciador do Concílio, cujo relicário foi colocado diante do altar da confissão.

O pontífice, devido a dores no joelho, foi imediatamente ao altar numa cadeira de rodas para celebrar esta missa de aniversário. Durante a homilia, apelou a um regresso à “paixão do Concílio”. Este acontecimento, afirmou, levou a Igreja a ser “habitada pela alegria”, porque “uma Igreja apaixonada por Jesus não tem tempo para confrontos, venenos e polémicas”.

Entre 1962 e 1965, o Concílio desenhou “o rio vivo da Tradição sem estagnar nas tradições”, afirmou o chefe da Igreja Católica. Ele rejeitou como “egoísmos pelagianos” o progressivismo “que se adapta ao mundo” e o tradicionalismo  – o «retrogradismo» – “que lamenta um mundo passado”. Estas correntes, insistiu ele, não são “prova de amor, mas de infidelidade”.

Aqueles que, perante o Concílio, se consideravam “guardiões da verdade” ou “solistas do novo” esqueceram-se de se reconhecer “como filhos humildes e gratos” da Igreja, insistiram Francisco. “Quantas vezes preferimos ser ‘apoiantes do nosso próprio grupo’ em vez de servos de todos, progressistas e conservadores em vez de irmãos e irmãs, ‘da direita’ ou ‘da esquerda’ em vez de Jesus”, perguntou ele.

Deplorando esta “tentação de polarizar”, explicou que o Concílio tinha no entanto lembrado à Igreja que “como a Trindade”, é “comunhão”. “Deixemos de lado os ‘-ismos’ exclamou, dizendo que estes conceitos afastam aqueles que os usam do “Povo Santo de Deus”.

O perigo da auto-referencialidade

O Concílio é “relevante”, continuou o Papa Francisco, na medida em que ajuda “a rejeitar a tentação de nos fecharmos nos limites do nosso conforto e das nossas convicções”. Esta “tentação de auto-referencialidade” encontra uma resposta no “desejo de unidade”, disse o chefe da Igreja Católica. Congratulou-se com a presença na assembleia, “como durante o Concílio”, de representantes de outras comunidades cristãs – nomeadamente protestantes e ortodoxos.

“A Igreja não celebrou o Concílio para se admirar, mas para se doar”, insistiu o Bispo de Roma, explicando que não deveria, portanto, “separar-se do mundo, mas servir o mundo”. Lamentou mais uma vez a tentação do “clericalismo” que “mata as ovelhas”. “É um pecado grave”, disse ele.

Devido a problemas de mobilidade do Papa Francisco, o Cardeal Pietro Parolin, Secretário de Estado da Santa Sé, presidiu à Missa no lugar do pontífice.

No final da celebração, o Papa acendeu simbolicamente as velas de dez fiéis leigos, homens e mulheres, jovens e velhos. Ele ordenou-lhes que passassem a luz do Vaticano II à assembleia, mas também “aos homens e mulheres do nosso tempo”. Após a bênção final, o pontífice foi venerar os restos mortais de São João XXIII.


2Como é que o Papa escolhe um bispo?

Por Camille Dalmas: “Não existe pastor padrão”, diz o Papa Francisco num livro inédito publicado a 11 de Outubro, The Bishop and the Pastor (São Paulo, 2022), no qual é publicado em conjunto com textos do cardeal teólogo Carlo Maria Martini (1927-2012). Descrevendo as qualidades necessárias para dirigir uma diocese, o pontífice confessa que está a tentar “consagrar bispos que são acima de tudo isso: pastores fiéis e não carreiristas”.

“O Bispo e o Pastor” é um livro em italiano financiado pela Fundação Carlo Maria Martini, por ocasião do décimo aniversário da sua morte. Consiste num ensaio de 72 páginas do antigo arcebispo de Milão sobre a missão do bispo, seguido de um ensaio de 25 páginas do Papa Francisco sobre o papel do bispo como pastor. O pontífice também escreve um comentário de 7 páginas sobre o ponto de vista do Cardeal Martini. Todos os textos são inéditos.

A escolha de um bispo não é feita de acordo com “as nossas preferências, as nossas simpatias, as nossas tendências”, escreve o Papa, a quem centenas de terna (três nomes) são submetidos todos os anos, dos quais ele deve escolher os pastores que irão liderar as dioceses de todo o mundo. De fato, a eleição de um bispo deve ser “clara”, insiste ele, considerando que o povo de Deus sabe reconhecer um bom pastor.

“É sempre necessário perguntar ao clero e aos leigos o que pensam de um certo candidato ao episcopado”, sublinha o Papa, ao mesmo tempo que apela a que “não se faça pressão para que sejam aceitas as eleições”. É uma questão de encontrar “o carácter único do pastor de que cada Igreja necessita”. Mesmo que os candidatos sejam por vezes difíceis de encontrar, devem ser procurados com “santa inquietação”, insiste o Papa, “porque Deus não deixa o seu povo sem um pastor”.

Martírio, o DNA do episcopado

O Bispo de Roma explica que procura “homens que não estejam condicionados pelo medo, mas que sejam capazes de dizer corajosamente ao mundo que a humanidade não está destinada a desviar-se”. Recordou que, devido à sucessão apostólica, o martírio é “o DNA do episcopado”.

Os Bispos devem ser “humildes, gentis, capazes de servir” antes de serem “amáveis ou competentes em assuntos pastorais”. O Papa também cita o Cardeal Giuseppe Siri que disse: “Cinco são as virtudes de um bispo: primeiro a paciência, segundo a paciência, terceiro a paciência, quarto a paciência e finalmente quinto a paciência com aqueles que nos convidam a ser pacientes”.

O que não é um bispo

O pontífice critica o bispo “homem de negócios” ou o bispo “sempre com uma mala na mão” que deixa o seu povo “órfão”. Um bispo que vê a sua diocese como “um lugar de passagem para uma maior ou mais importante” esquece que é casado com a Igreja. E, afirma, ao cobiçar outra diocese, comete “adultério episcopal”.

Adverte também contra a “psicologia principesca” que o afasta do povo, porque um bispo é “um mordomo de Deus, não um gestor de bens, poder, assuntos mundanos”. E se os bispos são “guardiões da doutrina”, a Igreja não tem “necessidade de apologistas para as suas causas ou cruzados para as suas batalhas”.

O bispo de Les Misérables como modelo

O Papa dá dois exemplos de um bom pastor que “vive e morre pelo caminho” com o povo de Deus: primeiro de tudo São Turibe de Mogrojevo (1538-1606), Bispo de Lima no Peru, que ao longo da sua vida “encheu a sua mala com os rostos e nomes” que conheceu. Esta proximidade autêntica é o seu “passaporte para o paraíso”, diz o Papa, que recorda a sua morte “numa pequena tribo enquanto os índios tocavam a chirimia, a flauta, para que ele deixasse este mundo em paz”.

O outro é uma personagem fictícia, D. Charles-François-Bienvenu Myriel, bispo de Digne no início de Les Misérables, de Victor Hugo. O pontífice cita a descrição do prelado feita pelo romancista francês, que é dado como exemplo pelo Cardeal Martini: “A miséria universal era a sua mina”. “Um bispo formado em humanidades, que leu os grandes romances que falam de paixões e dramas humanos, é mais capaz de compreender o mistério dos outros”, disse o chefe da Igreja Católica.

Dois cardeais jesuítas

O Cardeal Martini e o Papa Francisco foram cardeais juntos no Colégio Sagrado entre 2001 (quando o Cardeal Bergoglio se juntou) e 2012 (quando o Cardeal Martini morreu). Ambos os homens foram protagonistas do conclave de 2005, durante o qual as suas candidaturas receberam muitos votos antes de o Colégio Cardinalício escolher o Cardeal Ratzinger, eleito como Papa Bento XVI.

Embora ambos os homens pertencessem à Companhia de Jesus, a sua proximidade tem sido controversa, principalmente porque as relações entre o Arcebispo de Buenos Aires e os Jesuítas, dos quais Martini era o “intelectual orgânico” no início do século XX, não eram excelentes. O historiador Alberto Melloni considera mesmo que durante o conclave de 2005, o Cardeal Martini pediu aos cardeais que votaram nele que mudassem os seus votos para o Cardeal Ratzinger em vez do Cardeal Bergoglio, apesar das sensibilidades teológicas muito diferentes do Lombardo e do Bávaro. Pelo contrário, outros testemunhos afirmam que o Cardeal Martini apoiou fortemente a candidatura do atual Papa, sem sucesso.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoDoutrinaPapa FranciscoVaticano
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!