Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 27 Janeiro |
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Que vida espiritual tem um doente de Alzheimer?

web3-hands-alzheimer-e1556535744806.jpg

Orfa Astorga - publicado em 23/10/22

Uma realidade que aflige muitas famílias. Afinal, a alma ainda está presente? Entenda:

Ouvi este testemunho de um paciente: “A minha mulher, com pouco mais de sessenta anos de idade, acaba de ser diagnosticada com Alzheimer, uma doença incurável e progressiva, que irá gradualmente minar as suas faculdades mentais até se desligar do mundo e finalmente morrer”.

“Queria que fosse eu, não ela, a sofrer uma doença tão dura, e ser o primeiro a partir” – acrescentou ele com muita tristeza.

– Se tivesse sido o doente, o que teria sido da sua mulher? – perguntei, considerando uma resposta provável.

– Oh, ela teria sofrido muito, ao ponto de um sofrimento incalculável! E… pensando assim, consola-me saber que não será assim, que serei eu a sofrer, e não ela. Na verdade, eu não o tinha visto dessa maneira. No entanto, não consigo aceitar a cruz de vê-la sofrer de uma doença que a roubaria os seus anos dourados.

– Compreendo a sua aflição, mas proponho-lhe que considere que, nas profundezas da sua doença, a alma da sua esposa, na sua plenitude, permanecerá com ela, e que, quando morrer, ela irá ao encontro de um amor pessoal, que lhe dará a vida eterna e uma felicidade difícil de compreender na terra.

A alma ainda está presente?

Bem, a palavra alma tem duas formas de ser interpretada, e ambas correspondem à realidade da pessoa.

Na primeira, é como um princípio que anima, que dá vida, e que, quando deixa de operar, a pessoa morre fisicamente.

A segunda corresponde ao ser espiritual da pessoa, que não está no tempo, e portanto não morre, porque é feito por Deus para a eternidade.

A alma guarda muitos mistérios sobre as nossas mais profundas aspirações humanas e, sobretudo, sobre os nossos anseios de realização e os nossos anseios de salvação, que encontrarão uma resposta luminosa quando tivermos deixado este mundo.

O homem então me disse que sabia que sua mulher, que é de grande fé, sempre viveu atenta à sua alma espiritual, e que por isso ela não tinha medo de sofrer nem de deixar este mundo.

Então, confiando na fé da sua mulher, perguntei-lhe o que ele poderia concluir sobre a forma como irá lidar com a sua doença.

– De agora em diante, devo aprender a sentir-me muito confortado, confiando plenamente em Deus, tal como ela o faz. Que nada de mal pode vir d’Ele. E que, em nome da minha alma, me esforçarei por aceitar a cruz com esse sentido esperançoso.

Tags:
almasDoençaMorteSaúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!