Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 29 Fevereiro |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Como cuidar de seus pais idosos sem prejudicar seu casamento?

FEMME AGEEE

© pikselstock - Shutterstock

Marie Lucas - publicado em 29/05/23

Quando a velhice se aproxima e nossos pais precisam de nós do ponto de vista material, médico ou emocional, como não prejudicar seu próprio casamento nesse momento da vida? Se o mandamento bíblico é claro - "Honra teu pai e tua mãe" -, como podemos fazer isso?

“Meu marido e eu cuidamos de nossa mãe e de nossa sogra, que têm 91 e 93 anos”, explica Jehanne, que é casada há 28 anos. “Elas são independentes, mas temos que estar presentes, respeitar seus desejos e cuidar de sua segurança.

Já Thomas e Florence, casados há 26 anos, têm uma situação diferente: de um lado estão os pais de 85 anos, que estão “em ótima forma” (ou quase), e do outro a sogra de 93 anos, que está sentindo o peso dos anos e da solidão.

Por fim, Pauline e Didier cuidam dos pais de Pauline (85 e 86 anos), que moram sozinhos em uma casa grande no campo, à distância, embora os visitem sempre que podem.

“De fato, escolher como cuidar dos pais idosos, levar em conta suas escolhas, gerenciar contas e procedimentos administrativos, organizar visitas e férias – tudo isso consome muito tempo”, explica Geneviève de Leffe, conselheira matrimonial e instrutora da Cler.

E quanto ao próprio casamento? Embora eles se recusem a falar sobre “perigo”, todos concordam que é essencial ser sensível aos sinais das primeiras dificuldades para evitar o efeito “panela de pressão” e a explosão do casal.

Cuidado com a sobrecarga emocional

mal de tete

O mesmo se aplica à sobrecarga emocional. “Meu marido me recrimina por ser emocionalmente dependente de meus pais e acha difícil suportar o fato de eu estar sempre cuidando deles”, diz Pauline.

De fato, ela ama profundamente seus pais e às vezes se sente dividida entre os dois amores de sua vida: seu cônjuge e seus pais idosos… Às vezes, esse apego emocional se transforma até mesmo em “submissão emocional”, com base no dever filial, com o cônjuge ficando em segundo plano. “Nesse caso, muitas vezes é o cônjuge que é o primeiro a nos alertar para o fato de que está demais, o que leva a inúmeras discussões e depois à erosão gradual do casamento, que pode até mesmo levar à separação”, observa a conselheira matrimonial.

O segundo problema é o momento do casamento. Em uma idade, normalmente, em que o casal está enfraquecido pela saída dos filhos de casa, o casal pode compensar isso cuidando excessivamente dos pais idosos.

O que não é bom

“Não podemos passar a vida inteira cuidando de nossos pais, isso não seria bom para nós. Além disso, tenho a forte sensação de que se eu me intrometer no relacionamento do meu marido com a mãe dele, isso não fará bem ao nosso casamento”, diz Jehanne. Ela continua: “Estamos em uma fase em que precisamos continuar reinventando nossa vida juntos, longe de nossos pais”. Sem mencionar o fato de que um pode não concordar com as escolhas feitas pelo outro.

Finalmente, há um risco real de levar vidas paralelas nesse momento específico. “Eu estava tão cansada física e mentalmente que não conseguia mais encontrar forças para conversar com meu marido”, lembra Florence. Além disso, cuidar de parentes idosos pode tomar muito do seu tempo, causando ansiedade e falta de paciência com seu parceiro. “Isso me deixa irritada, agressiva e indisponível física e mentalmente”, conclui Pauline com lucidez. Seja por conflitos ou falta de vínculo, é difícil lidar com um pai ou mãe idosa. “E em ambos os casos, o impacto sobre o casal é negativo, com o parceiro se sentindo distante ou impotente diante dos conflitos de lealdade envolvidos”, explica a conselheira matrimonial.

Então, o que pode ser feito?

Para Pauline, é essencial reagir rapidamente aos primeiros sinais de desconforto em seu parceiro: mude a forma como as coisas estão organizadas assim que você sentir que a outra pessoa não aguenta mais… E, é claro, ouça o Espírito Santo! Quanto a Jehanne, ela tem duas palavras em seus lábios: comunicação e estrutura. “Desde que você diga o que é certo e o que é errado, a situação se torna administrável. Quanto à estrutura, ela evita que as coisas saiam do controle. Por exemplo, em nossa casa, cada um cuida de sua própria mãe e cada um toma decisões com seu próprio irmão e irmã”.

Quanto a Thomas, ele aconselha os maridos a regularem as demandas emocionais excessivas, a aliviarem o calor de certas situações, a lembrarem regularmente suas esposas de suas responsabilidades como esposas e mães e, acima de tudo, a ousarem dizer quando “Basta!”

Diálogo

Geneviève de Leffe oferece os seguintes conselhos. O primeiro é manter um diálogo como casal, expressando suas emoções e sentimentos, que às vezes podem ser ambivalentes, para entender melhor a outra pessoa. Conversar permite que você se acalme, dê um passo atrás e tenha clareza sobre as reais necessidades de seus pais. Você também precisa saber como se adaptar. Tudo muda: a vida profissional, os relacionamentos, a doença, a velhice etc. Você não pode se prender a um determinado modo de cuidar e precisa inventar novas soluções, se necessário.

Também é essencial identificar e tomar consciência do tempo que é realmente investido no pai idoso e trabalhar em conjunto para identificar o impacto em cada um de nós e na vida do casal. Também é essencial buscar ajuda, aceitar seus limites e se afastar de uma espécie de onipotência que consiste em pensar que você é o único capaz de cuidar de seu parente idoso.

Por fim, precisamos superar a crença de que “colocar nosso parente idoso em um estabelecimento médico ou especializado significa abandoná-lo”, quando essas estruturas podem oferecer melhores cuidados em um ambiente seguro e adaptado às necessidades da pessoa idosa.

Entregar-se a Deus por meio da oração

Também é importante passar um tempo de qualidade com seu parente idoso, como casal e como família. E não se esqueça de procurar ajuda se precisar, seja pessoalmente ou como casal: terapeutas, grupos de autoajuda, grupos de discussão de cuidadores, etc. para encontrar conforto e, acima de tudo, outras maneiras de fazer as coisas/estar com seu pai ou mãe e seu cônjuge.

Por fim, concluem os casais que conhecemos, é essencial colocar regularmente esse apoio na oração em conjunto: intercessão, novenas, tudo é bem-vindo nessa área. “E as coisas estão lenta mas seguramente se tornando mais claras, um dia de cada vez…”, diz Jehanne. E a prova? A mãe de Florence estava tendo um período difícil, mas o casal acabou de se inscrever com ela para uma peregrinação a Lourdes. “A Virgem Santíssima nos disse para fazer isso”, conclui Thomas com um sorriso.

Tags:
CasamentoFamíliaIdososSaúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia