Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 29 Fevereiro |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

São Boaventura nos ensina o propósito da educação

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
São Boaventura

Public domain

São Boaventura

Michael Rennier - publicado em 17/07/23

O objetivo principal da educação não é desenvolver habilidades práticas nem adquirir conhecimento intelectual: envolve ambas as coisas, mas vai muito além.

Ao longo de muitos anos, o meu único objetivo na vida era ser a pessoa mais inteligente da sala. Eu estava obcecado em adquirir conhecimento. Na faculdade, fiz cursos extras, participei de palestras complementares, fazia minhas próprias leituras paralelas. Muitas vezes adormeci à noite na cadeira com um livro de filosofia na mão.

Para mim, desenvolver o intelecto era o segredo para resolver todos os meus problemas. Eu achava que ser inteligente era a chave para compreender a Deus, entender a razão da minha depressão e descobrir como encontrar um caminho espiritual e emocional. Não me incomodava que, se eu pudesse mesmo ser a pessoa mais inteligente da sala, isto seria um impulso para o meu ego.

Acontece que eu não sou tão inteligente assim.

Quando cheguei à Universidade de Yale para a pós-graduação, ficou dolorosamente claro que existem muitas pessoas no mundo (e muitas mesmo) com raciocínio mais rápido que eu, mais estudiosas, mais inteligentes, mais motivadas. E embora eu estivesse, de fato, aprendendo bastante à medida que avançava, os meus problemas pessoais persistiam e as dúvidas sobre a minha fé continuavam. Aliás, multiplicavam-se. Eu percebi que não poderia saber tudo sobre Deus. O “assunto”, por assim dizer, é grande demais para uma mente.

Deus não é uma ideia a ser estudada, mas Alguém a ser conhecido. Também vim a entender que a alma humana é complexa e que eu sou muito mais que um intelecto.

O que significa educar-se?

Sabendo disso, surge naturalmente a pergunta sobre o que significa educar-se. Que tipo de conhecimento vale a pena adquirir e qual é a relação entre o intelecto e o conhecimento? Uma coisa é clara: a educação deve abranger toda a realidade e não apenas o intelecto.

Agora que os meus próprios filhos estão na idade escolar, tenho pensado muito na educação deles. Felizmente, os meus erros do passado me ajudaram a fazer algumas reflexões sobre o propósito da educação.

Por outro lado, o que noto nas tendências educacionais de hoje é que se vai numa direção equivocada. As abordagens à educação são altamente abstratas e teóricas, além de limitadas às chamadas habilidades “práticas”, com foco principalmente em ciência e tecnologia. As matérias se voltam a preparar as crianças para conseguirem emprego e se encaixarem na sociedade, independentemente da análise de se vale mesmo a pena encaixar-se nesse tipo de sociedade.

Sempre que uma escola anuncia que os seus alunos recebem laptops e usam tecnologia de ponta, eu imediatamente questiono a qualidade da educação que ali se oferece, porque o objetivo principal da educação não é o desenvolvimento de habilidades práticas. Na verdade, não é sequer a pura aquisição de conhecimento intelectual. Inclui ambas as coisas, é claro, mas vai muito além disso.

O homem não vive só de pão. Uma pessoa não pode florescer apenas com conhecimento prático.

O romance do aprendizado

Recentemente, dei uma palestra num evento sobre educação domiciliar (homeschooling) e expliquei que a educação é essencialmente um empreendimento romântico. Para explicar o que eu quis dizer com isto, citei Edith Stein (Santa Teresa Benedita da Cruz), que escreve que “o educador é chamado por vontade de Deus a abrir a alma do seu aluno às obras da graça e, também, a desenvolver os poderes adormecidos da alma de acordo com a imagem de Deus”.

Isso é romance puro; essa ideia de que a educação se baseia numa concepção metafísica da pessoa humana. Professor e aluno não se submetem às exigências da praticidade ou de algum objetivo intelectual arbitrário, mas buscam o conhecimento como um tesouro, como uma grande jornada de descoberta rumo à fonte daquele conhecimento que procede de uma esfera superior.

Numa atmosfera dessas, pode-se quase começar a acreditar que os elfos e hobbits e o Rei Arthur e o Santo Graal são reais. Talvez sejam. Eu sei, com certeza, que São Francisco estendeu as mãos para receber os estigmas, e São Tomás de Aquino escapou de uma torre de castelo onde estava preso e conseguiu fugir para Paris, e a princesa grega Santa Filomena enfrentou leões na arena. Este mundo, um mundo cheio de infinitas possibilidades, habitado por heróis que aderiram a uma verdade mais profunda, este é o mundo que eu quero que os meus filhos herdem. Talvez eles também possam se juntar a esses heróis.

Como ainda explica Edith Stein, a educação começa na alma. A verdadeira educação não é a imposição de conhecimentos exteriores; pelo contrário, ela forma o ser humano completo, de dentro para fora.

Esse tipo de educação modela uma pessoa única, maravilhosa, atenciosa, madura, que busca a felicidade. Essa felicidade, nós, como católicos, acreditamos que está ligada ao nosso progresso rumo à santidade.

Conhecendo a Cristo

São Boaventura afirma de maneira simples, mas eficaz: “Se você não aprende nada além de Cristo, você aprende tudo”. O conhecimento é uma transformação interior. É como uma escada que nos conecta a Cristo. Cristo é a Verdade e, quanto mais subirmos os degraus dessa escada, mais perto estaremos de viver na verdade.

Na minha experiência, a educação é um processo de aprender a identificar o que é valioso. Procure primeiro a Cristo. Precisamos saber sobre Ele, sim, mas muito mais importante é conhecê-lo.

Uma educação completa deve incluir muito aprendizado acadêmico, mas também deve formar-nos na prática das virtudes, na oração e na teologia. Incluirá poesia, literatura e a contemplação silenciosa do céu estrelado. Talvez envolva ainda silvicultura, corrida, construção de catapultas medievais ou de robôs. Quem sabe.

A questão é que a educação é um grande romance, um enamoramento por este mundo, porque, através dele, vemos cada vez mais claramente Aquele que é todo Beleza, todo Bem e todo Verdade.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
CriançasCristianismoCulturaEducaçãoJesusSantos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia