Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 22 Fevereiro |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Por que os bispos da Coreia do Sul estavam ansiosos para sediar a JMJ?

Papa com fiéis da Coreia do Sul

Antoine Mekary | ALETEIA | I.MEDIA

Papa com fiéis da Coreia do Sul

Francisco Vêneto - publicado em 07/08/23

O arcebispo de Seul já havia manifestado publicamente a intenção no ano passado

O anúncio do Papa Francisco de que a próxima Jornada Mundial da Juventude será realizada na Coreia do Sul em 2027 gerou uma onda de entusiasmo entre os católicos asiáticos – que só haviam sediado uma edição do grande evento, em 1995, na capital das Filipinas, Manila. O papa reinante ainda era São João Paulo II.

O entusiasmo certamente foi ainda mais intenso entre os bispos sul-coreanos, já que o episcopado daquele país já tinha manifestado enfaticamente o seu profundo desejo de receber o maior e mais impactante evento mundial de juventude.

Em novembro passado, o arcebispo de Seul, dom Peter Chung Soon-taick, explicou uma das motivações mais pungentes para o país:

“Seria uma oportunidade extraordinária para relançar a pastoral juvenil num país que luta com o inverno demográfico e com um sistema educacional dominado pela competitividade”.

De fato, a mesma Coreia do Sul que queria e conseguiu tornar-se a sede da próxima JMJ apresenta hoje uma das taxas de natalidade mais baixas do planeta, com 0,8 filhos por casal. A preocupante diminuição do número de jovens no país repercute em todos os âmbitos – inclusive, naturalmente, na Igreja.

Dom Chung acrescentou, em sua manifestação do ano passado:

“Precisamos de um ponto de virada para a pastoral juvenil em Seul e a JMJ é uma ocasião propícia. Apresentamos o projeto aos outros bispos da Coreia, que deram seu apoio. Ainda não há nada decidido. Mas estamos preparando o dossiê para ser enviado à Santa Sé com a nossa candidatura. Pode ser uma excelente oportunidade para reunir os jovens em torno de um projeto que os torna protagonistas. Daria início a um processo. E, após concluído, seria bom compartilhar a nossa experiência com todos. Seria uma oportunidade missionária para compartilhar os valores do Evangelho em nossa sociedade”.

O catolicismo na Coreia do Sul tem uma riquíssima história de protagonismo dos leigos. Confira:

Ao mesmo tempo, a história da evangelização da Coreia do Sul é marcada pelo martírio:

Além do desafio demográfico, o país enfrenta graves problemas sociais também em decorrência da pressão desmedida pela competitividade e por indicadores de suposto sucesso individual, sobretudo nos resultados acadêmicos e profissionais. Este aspecto, mencionado por dom Chung, pode ser observado no seguinte e pungente artigo sobre o drama de muitos coreanos que morrem sozinhos:

Tags:
BisposJMJSociedade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia