Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 14 Abril |
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

Seria o karma um conceito compatível com o Cristianismo?

BUDA

Shutterstock | Gerardo C.Lerner

Igor Precinoti - publicado em 28/08/23

Curiosamente, este conceito oriental conseguiu influenciar alguns movimentos cristãos. É possível identificar claramente o conceito de karma (no contexto de causa e efeito) dentro da teologia da prosperidade. Entenda:

O conceito de karma é originário das tradições religiosas e filosóficas da Índia, especialmente do hinduísmo e do budismo. O termo “karma” vem do sânscrito e significa “ação”. No hinduísmo, este conceito é uma das leis fundamentais. Ele se refere ao princípio de causa e efeito, onde as ações de um indivíduo, boas ou más, têm consequências futuras.

No hinduísmo, acredita-se que as consequências das ações podem se manifestar tanto nesta vida como também em vidas futuras, através daquilo que eles entendem como um ciclo de reencarnações.

Com a expansão dos comércios, a troca de ideias e o contato com as culturas orientais ao longo do tempo, o conceito de karma começou a influenciar o Ocidente. A partir do século XIX, um aumento do interesse no espiritualismo e na filosofia oriental ganhou mais destaque com a tradução de textos religiosos indianos e, ao longo do século XX, vários mestres da Índia migraram para o Ocidente a fim de divulgar suas tradições espirituais. Um icônico exemplo foi a banda Beatles que, durante um tempo, apareceu na mídia com o “Guru” ou líder espiritual Maharishi Mahesh.

No Brasil, o espiritismo, um movimento filosófico-religioso que defende a reencarnação, de alguma maneira, também é influenciado pelo conceito de causa e efeito (karma) para justificar as condições de adversidades que alguns indivíduos adquirem no nascimento ou no decorrer da vida. 

Com a popularização do movimento da “Nova Era” (segunda metade do século XX), uma variedade de crenças espirituais e filosofias orientais dentre elas o “karma” se popularizou ainda mais na sociedade, sendo também incorporado nas diversas filosofias de autoajuda. Nestes casos, os efeitos e consequências das boas ou más ações não seriam observadas somente em vidas futuras, mas também na vida atual. 

Sob esse prisma, é comum que alguns indivíduos, de maneira muitas vezes cruel, responsabilizem alguém que sofre de câncer, afirmando que sua doença foi causada por sentimentos negativos como tristeza e mágoa, ou ainda, tentam justificar tragédias com preconceitos (“o terremoto aconteceu porque naquele país eles seguem a religião errada”).

Influência

Curiosamente, este conceito oriental conseguiu influenciar alguns movimentos cristãos. É possível identificar claramente o conceito de karma (no contexto de causa e efeito) dentro da teologia da prosperidade: uma doutrina religiosa que enfatiza a crença de que a fé e a prática religiosa podem levar a bênçãos materiais e prosperidade financeira na vida do fiel. Essa teologia tem suas origens nos Estados Unidos e ganhou popularidade em várias partes do mundo.

Segundo a teologia da prosperidade, uma pessoa de fé que segue as diretrizes de sua igreja e contribua regularmente com suas ofertas, teria bênçãos e prosperidade como retorno a estas ações. Ao contrário, o afastamento e a desobediência a estas práticas levariam a dificuldades financeiras, insucesso nos negócios, desajustes familiares e até doenças. 

Daí a questão: Mas será que é esta a mensagem de Cristo? Será que Jesus, nos evangelhos, ensina que a vida cristã é uma vida livre de dissabores? Será que Deus impõe pobreza e desajuste familiar àqueles que, por algum motivo, não contribuem com o dízimo? Pelo contrário, Jesus nunca disse “prostre-se a mim e tudo será seu”. Quem afirmou isso foi Satanás (Lucas 4,6-7). As promessas de Jesus não estão neste mundo: “grande é o vosso galardão no céu” (Lucas 6,22-23).

Além disso, seria ingenuidade acreditar que todas as mazelas da vida são decorrentes de erros e pecados anteriores, creditar um acidente aéreo, uma morte por terremoto, um sofrimento devido a uma doença etc. aos pecados e erros do passado é como acreditar que Deus é um ser mimado e rancoroso. Jesus mesmo afirmou que as mazelas e escândalos invariavelmente podem acontecer. “É impossível que não venham os escândalos” (Lucas 17,1-2). O mal físico ou moral é um mistério. Mistério que Deus, no entanto, não quer, mas permite e pode sempre dele tirar bens ainda maiores, segundo Santo Agostinho de Hipona em Enchiridion, 38.

A partir destes exemplos, podemos afirmar que, definitivamente, o Karma não é um conceito contido nos evangelhos e que o ensinamento cristão é bem diferente. Ser cristão não significa que você não terá problemas, mas, antes disso, ser cristão é adquirir ferramentas para enfrentar os problemas. “Pegue sua cruz e vem” (Lucas 9,23).

Desta forma, pode-se concluir que ser cristão é ter a maturidade de saber que as intempéries da vida invariavelmente vão acontecer (independente se o indivíduo fez boas ou más ações), mas que os ensinamentos de Jesus e os exemplos dos Santos nos darão força e instrumentos para superar estas dificuldades. E quando não for possível superar, o cristianismo nos ensina a ter resiliência: “Ele se afastou deles a uma pequena distância, ajoelhou-se e começou a orar: ‘Pai, se queres, afasta de mim este cálice; contudo, não seja feita a minha vontade, mas a tua’” (Lucas 22,41-42). E Ele foi atendido, não no livramento da cruz, mas em algo muito maior: o triunfo sobre a morte, o mal e o pecado (cf. Hebreus 5,7-9). Nenhuma oração nossa é vã!

Com a certeza, a glória divina transcende a este mundo. 

Tags:
EspiritualidadeReligiãoSofrimento
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia