Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 22 Fevereiro |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Para melhor entender a perigosa ideologia de gênero

Ideologia de gênero

Shutterstock / SrideeStudio

Vanderlei de Lima - publicado em 10/09/23

A ideologia de gênero é definida como “o conjunto de argumentos doutrinários que seus defensores utilizam para justificar a existência de uma identidade sexual independentemente do sexo biológico". Entenda:

Temas ligados, direta ou indiretamente, à ideologia de gênero estão na ordem do dia e requerem, por isso, melhores esclarecimentos. Eis a razão deste artigo a transcrever oportunos trechos da obra “Ideologia de gênero: saiba como defender sua família dessa nova ameaça” (São Paulo: Artpress, 2017), do Pe. David Francisquini.

A ideologia de gênero é definida como “o conjunto de argumentos doutrinários que seus defensores utilizam para justificar a existência de uma identidade sexual independentemente do sexo biológico. Para os defensores dessa ideologia, a identidade sexual teria sido imposta pela sociedade, pelo ambiente em que fomos educados; as pessoas nasceriam sem sexualidade psicológica definida; a diferenciação sexual do corpo seria apenas um componente anatômico; e o que denominamos masculino e feminino seria resultado de uma ‘convenção’, como na gramática. Trata-se, portanto, de uma argumentação teórica desenvolvida para dar suporte a uma posição ideológica, não científica, sustentando que a sexualidade seria determinada pelo modo como a pessoa se considera a si mesma, e não pelas características biológicas” (p. 8). 

Ainda mais: “O conceito de ‘papel sexual’ foi introduzido em 1995 pelo psiquiatra americano John Money, para distinguir a identidade sexual biológica do ‘papel social’ que o indivíduo escolheu para representar, a respeito da sua sexualidade. […] Por meio dessa teoria, pretende-se desmantelar a identidade masculina e feminina baseada no sexo biológico e criar uma identidade sexual baseada no conceito de gênero” (p. 8). Como se vê, é uma ideologia altamente revolucionária, anticristã e anticientífica, pois anseia, com argumentos meramente subjetivos e sem fundamentos na realidade observável, jogar por terra tudo o que conhecemos até hoje pela sã razão (o realismo natural filosófico), pela Revelação judaico-cristã (cf. Gn 1,27; Mt 19,4) e pela ciência médica a apresentar aos pais, via exame de ultrassonografia, ainda na gestação, o sexo do bebê e, por conseguinte, tratar o ser humano na sua típica condição de homem ou de mulher etc.

Contestando, no entanto, tudo isso, “na Suécia, algumas escolas retiraram os pronomes suecos ‘han’ e ‘hon’ (ele e ela), substituindo-os por um sexualmente neutro: ‘hen’ – um termo inventado, pelo fato de não existir em sueco um equivalente neutro. Na Alemanha, a polícia prendeu por 40 dias os pais de crianças que não compareceram à aula de ‘ideologia de gênero’” (p. 15). No Brasil, muitas escolas “incluem nas suas atividades curriculares de educação a famigerada ‘ideologia de gênero’. Segundo pensam, a escola seria o espaço apropriado para quebrar os papéis naturais do homem e da mulher” (p. 12-13). Toda atenção dos pais ou responsáveis e educadores se faz muito importante neste quesito. Em casos graves, poderiam – ao que tudo indica – se amparar no direito, natural, moral e legal, à objeção de consciência (cf. Vanderlei de Lima. Obedecer antes a Deus que aos homens. Cultor de Livros, 2021).

Com efeito, afirma a Dra. Pamela Puppo, bióloga: “Esta ideologia é uma corrente de pensamento, não é uma teoria científica, nem muito menos uma evidência científica: sustenta que os seres humanos somos ‘neutros’ quando nascemos, e podemos escolher ser homens, mulheres ou a combinação de ambos quando crescermos. […] Não aceitar a ‘ideologia de gênero’ não é discriminação, não é ser intolerante nem homofóbico. Isto não é discriminação, é simples biologia. Nascer como homem ou mulher não é um fato cultural, é um fato biológico” (p. 19-20).

Tenha, por fim, a palavra Gabriele Kuby, socióloga alemã, ao afirmar o que segue: “A ‘ideologia de gênero’ é a mais radical rebelião possível contra Deus. É o ser humano não aceitando que é criado homem ou mulher, e por isso diz: ‘Eu decido! Esta é a minha liberdade!’. Contra a experiência, contra a natureza, contra a razão, contra a ciência! É a perversão final do individualismo, roubando ao ser humano o que lhe resta da sua identidade – ou seja, o de ser homem ou mulher – depois de ter perdido a fé, a família e a nação” (p. 10).

Possam estes dados calar fundo no coração e na mente de cada leitor e levá-lo a refletir e a agir, dentro da lei e da ordem, ante a perigosa ideologia de gênero.

Tags:
IdeologiaIdeologia de GêneroPolítica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia