Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 22 Fevereiro |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

O país da Virgem de Guadalupe descriminaliza o aborto em todo o seu território

MEXICO

Jair Cabrera | NurPhoto via AFP

Movimentos pró-vida protestam contra legalização do aborto no México

Francisco Vêneto - publicado em 11/09/23

Decisão é da Suprema Corte do México

Considerado até poucos anos atrás como um dos países mais católicos do mundo, o México tem adotado em ritmo acelerado a assim chamada “agenda progessista”, em especial desde que chegou ao poder o atual presidente de esquerda, Andrés Manuel López Obrador.

Embora chegue a ser considerado por alguns analistas como “um país em guerra” e apareça regularmente na lista dos mais violentos do mundo em decorrência do narcotráfico, o México tem optado, assim como a Argentina, por priorizar agendas ideológicas dos partidos no poder em vez de resolver os seus reais e dramáticos problemas sociais.

Nesse contexto, o aborto já havia sido descriminalizado em 12 estados da federação mexicana quando, na última quarta-feira, 6 de setembro, a Suprema Corte de Justicia de la Nación (SCJN), equivalente no México ao Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil, decidiu descriminalizá-lo em todo o território mexicano, alegando que a proibição atualmente vigente seria inconstitucional.

Para os membros do tribunal supremo do país, “o sistema jurídico que penaliza o aborto no Código Penal Federal é inconstitucional, uma vez que viola os direitos humanos das mulheres e das pessoas com capacidade de gestar”.

Observe-se, aliás, a influência das teorias de gênero nesta declaração: “pessoas com capacidade de gestar”, biologicamente falando, são mulheres; a sua categorização à parte do grupo explicitamente denominado de “mulheres”, porém, visa incluir os assim chamados “homens trans”.

Em 2021, a máxima corte do México já havia declarado, pela primeira vez, que considerava inconstitucional criminalizar o aborto. Na ocasião, os magistrados decidiram contra uma lei do estado de Coahuila que estabelecia pena de multa e até três anos de prisão para mulheres que abortassem.

Resposta da Igreja

A Conferência do Episcopado Mexicano (CEM) recordou que toda vida humana, “desde a concepção até a morte natural, é digna, independentemente das suas condições e eventualidades”.

O comunicado da CEM afirma que a concepção e o nascimento de uma nova vida humana “representam um bem cujo valor é infinito”. O seu cuidado e proteção, prosseguem os bispos, não é uma responsabilidade apenas da mulher grávida, mas da sociedade como um todo, que, portanto, “não pode lavar as mãos” diante da ameaça ao mais fraco, que é o bebê em gestação: deve-se, antes, “criar as melhores condições para acolher a vida e não para descartá-la”.

Tags:
AbortoCultura do descarteIdeologiaPolíticaVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia