Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 22 Fevereiro |
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

Novamente o aborto e a cultura da morte

Movimento pró-vida

Spotlight Images Agency | Shutterstock

Francisco Borba Ribeiro Neto - publicado em 01/10/23

O aborto é uma manifestação da cultura da morte, não sua causa. Ele não gera essa cultura da morte, é gerado por ela

O contínuo avanço do aborto em nossas sociedades (permitido por lei em pelo mesmo 66 países e repetidamente invocado como direito em países como o nosso) nos obriga a uma séria reflexão sobre sua relação com a “cultura da morte”, denunciada por São João Paulo II na Evangelium vitae.

Uma cultura não se torna hegemônica apenas porque determina a mentalidade da maioria da população ou as normas seguidas pelo Estado. Ela, frequentemente, não corresponde à mentalidade da maioria. Em alguns casos, não se identifica nem mesmo com as posições oficiais do Estado. Uma cultura, se torna hegemônica à medida que condiciona a mentalidade da maioria dos formadores de opinião e dos tomadores de decisões (sejam agentes públicos ou privados). Nas sociedades contemporâneas, as mudanças começam justamente quando novas ideias, que são minoritárias entre a população e não tem representatividade junto ao poder político, começam a tornar-se hegemônicas. Por isso, temos que considerar que a cultura da morte, se não é hegemônica, pelo menos já é fortíssima no mundo de hoje.

O que caracteriza a cultura da morte?

O aborto é uma manifestação da cultura da morte, não sua causa. Ele não gera essa cultura da morte, é gerado por ela. Caso o enfrentemos como se fosse apenas uma tendência isolada e não o fruto de uma mentalidade que vai se consolidando, estaremos apenas “enxugando o gelo” e seremos, mais cedo ou mais tarde, superados pela onda que vai crescendo. Para ser efetiva, a luta contra o aborto tem que estar inserida numa batalha maior, contra a cultura da morte.

Essa cultura é caracterizada por um imediatismo desesperançado. Pode ser a perda de esperança atormentada, que leva ao desespero, daquelas pessoas que não veem nenhuma chance de serem minimamente felizes diante daquilo que lhes acontece. Pode ser uma desesperança fria e calculista, de quem se entregou a um pragmatismo cínico, para o qual todo ideal e todo afeto são ilusórios, e por isso o que resta é tentar controlar a vida, extraindo dela o máximo de prazer imediato. Num caso ou no outro, a morte é uma opção válida porque não existe um bom motivo para se sacrificar em nome da vida.

No caso de quem se vê realmente diante da opção de abortar, essa desesperança é acompanhada por um ocultamento da pessoa do nascituro. Fazemos muitas discussões conceituais sobre o direito do nascituro à vida, mas quem já encontrou pessoas que pensavam em abortar sabe que o problema não é teórico: elas simplesmente procuram não ver a criança que já está no útero. Não por acaso, uma das mais fortes e combatidas campanhas pró-vida consiste simplesmente em mostrar às mães imagens de como deve estar, naquele momento, a criança em seu ventre.

Recuperar a esperança

Bento XVI, respondendo a uma pergunta sobre as legislações pró-aborto, considerou que lhe parecia que “na base destas legislações haja por um lado um certo egoísmo e por outro uma dúvida sobre o futuro. E a Igreja responde sobretudo a estas dúvidas: a vida é bela, não é algo duvidoso, mas é um dom e também em condições difíceis a vida permanece sempre um dom. Portanto voltar a criar esta consciência da beleza do dom da vida. E depois, outra coisa, a dúvida do futuro: naturalmente há tantas ameaças no mundo, mas a fé dá-nos a certeza de que Deus é sempre mais forte e permanece presente na história e, portanto, podemos, com confiança, também dar a vida a novos seres humanos. Com a consciência de que a fé nos dá sobre a beleza da vida e sobre a presença providente de Deus no nosso futuro podemos resistir a estes medos que estão na base destas legislações”.

A cultura da morte é combatida justamente com essa consciência da beleza da vida, por meio do afeto que acolhe e mostra uma esperança onde antes só havia desespero ou cálculo individualista. Existe uma luta jurídica, absolutamente necessária, em defesa da vida. Contudo, temos que ter claro que a luta contra a cultura da morte deve transcender esse aspecto legislativo, deve ser também um trabalho formativo e um acompanhamento solidário que desperta para a confiança no amor, a beleza da vida e a esperança no futuro – pois todas essas três coisas faltam na cultura da morte e na opção pelo aborto.

Um caminho de justiça, mas também de solidariedade

Frequentemente, nossas campanhas pró-vida são interpretadas como se estivéssemos apenas culpando e penalizando as mulheres, fazendo com que elas se sintam menos amadas e respeitadas por causa disso. Precisamos aprender sempre mais a mostrar que a luta pró-vida é uma luta por amor tanto às crianças que estão por nascer quanto a suas mães. Uma mulher grávida, em dificuldade, deve descobrir-se amada por aqueles que lutam contra o aborto, ela e seu bebê devem receber o afeto e o apoio necessários para que ambos levem a vida para frente, para que a criança nasça e ambos, mãe e criança, experimentem a beleza da vida e do amor.

Não são apenas questões conceituais ou de um afeto abstrato, implicam em gestos concretos, apoios que podem ser psicológicos, familiares ou mesmo econômicos. Quando uma criança morre abortada, a responsabilidade raras vezes e só da mãe, quase sempre existe um conjunto de pessoas a levaram a isso ou deixaram de dar-lhe o apoio que lhe permitiria levar a gravidez à frente. Uns e outros, por empenho com o mal ou por omissão diante do bem, colaboram com a cultura da morte.

É natural e justo que nos sintamos indignados diante, por exemplo, do ativismo judicial que tenta legalizar o aborto no Brasil a qualquer custo. Contudo, a indignação deve levar ao compromisso, não à raiva. Quando olhamos o mundo com raiva dos abortistas e não com amor pelas vítimas do aborto (que são não só os filhos, mas também as mães que abortam por falta de apoio e orientação) reproduzimos a lógica do mal que gera o aborto e que deveríamos estar combatendo. O diabo ri contente quando vê os amigos de Deus olhando o mundo com os olhos da raiva e do ressentimento e não com os olhos do perdão e do amor. Quando isso acontece, ele (o diabo) sabe que já venceu uma batalha (que acontece em nosso coração e na sociedade).

Tags:
AbortoPolíticaVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia