Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 29 Fevereiro |
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

É adequado um Papa falar sobre o aquecimento global?

Papa Francisco

Antoine Mekary | ALETEIA

Francisco Borba Ribeiro Neto - publicado em 08/10/23

Duas críticas interligadas merecem ser comentadas, pois nos dão a oportunidade de entender muitas outras coisas... Entenda:

Nas redes sociais, a Exortação Apostólica Laudate Deum(LD), lançada no último 4 de outubro, tem recebido tanto uma recepção entusiasmada quanto críticas ásperas, como antes já tinha acontecido com a Encíclica Laudato si’. Papas são sempre polêmicos, mesmo que não queiram. O problema não está neles, mas em seus leitores. Tendemos a gostar quando eles escrevem o que queremos ler e criticar quando escrevem coisas com que não concordamos ou que não entendemos.

Duas críticas interligadas merecem ser comentadas, pois nos dão a oportunidade de entender muitas outras coisas… Muitos acreditam que o Papa não deve escrever sobre questões ecológicas e sobre aquecimento global, pois não são temas referentes à fé. Outros até concedem essa possibilidade, mas acreditam que Francisco é excessivamente “mundano”, mais preocupado com os problemas mundanos do que com a conversão das almas. Dedico esse artigo à primeira crítica e discutirei a segunda num próximo.

Quais são os temas aos quais os Papas se dedicam?

Não há dúvida que a atenção principal dos Papas se foca na relação entre Deus e a pessoa humana, mediada por Cristo e realizada historicamente na Igreja. Mas a caridade cristã impulsiona a Igreja a ocupar-se de tudo aquilo que diz respeito à vida humana. É São João Paulo II que bem explica: “A Igreja é ‘perita em humanidade’, e isso impele-a necessariamente a alargar a sua missão religiosa aos vários campos em que os homens e as mulheres desenvolvem as suas atividades em busca da felicidade, sempre relativa, que é possível neste mundo, em conformidade com a sua dignidade de pessoas […] É por isso que a Igreja tem uma palavra a dizer, hoje como há vinte anos e também no futuro, a respeito da natureza, das condições, das exigências e das finalidades do desenvolvimento autêntico e, de igual modo, a respeito dos obstáculos que o entravam. Ao fazê-lo, a Igreja está a cumprir a missão de evangelizar, porque dá a sua primeira contribuição para a solução do urgente problema do desenvolvimento, quando proclama a verdade acerca de Cristo, de si mesma e do homem aplicando-a a uma situação concreta” (Sollicitudo rei socialis, SRS 41).

Ora, uma catástrofe climática que pode afetar a humanidade inteira sem dúvida se adequa aos critérios acima. A única razão para um Papa não se deter sobre esse tema é se fosse uma ameaça falsa. Responder a esse questionamento é o primeiro tema desenvolvida na Exortação.

Ninguém mais pode negar o aquecimento global

Hoje, a maioria esmagadora da comunidade científica mundial acredita que o aquecimento global existe e é causado principalmente pela atividade humana. Existem evidencias robustas para isso, enquanto que todas as tentativas de negá-lo ou de dar-lhe outras causas que não a ação humana não apresentam evidências favoráveis sólidas.

Francisco elenca uma série de eventos, que se tornaram muito mais evidentes nesses anos, que o demonstram: “Ninguém pode ignorar que, nos últimos anos, temos assistido a fenómenos extremos, a períodos frequentes de calor anormal, seca e outros gemidos da terra que são apenas algumas expressões palpáveis duma doença silenciosa que nos afeta a todos” (LD 5). Segundo um estudo das Nações Unidas, os desastres relacionados ao clima aumentaram 83% nos últimos anos – de 3.656 eventos, durante o período de 1980-1999, para 6.681 entre 2000-2019. As grandes inundações mais do que dobraram, o número de tempestades severas aumentou 40% e houve um grande aumento nas secas, incêndios florestais e ondas de calor. E, nos últimos anos, mesmo sem a sofisticação das análises científicas, todos nós estamos vendo essas tragédias acontecerem em nossos noticiários.

“É impossível esconder a coincidência destes fenômenos climáticos globais com o crescimento acelerado das emissões de gases com efeito estufa, sobretudo a partir de meados do século XX. A esmagadora maioria dos estudiosos do clima defende esta correlação, sendo mínima a percentagem daqueles que tentam negar esta evidência […] Os elementos naturais típicos que provocam o aquecimento, como as erupções vulcânicas e outros, não são suficientes para explicar a percentagem e a velocidade das alterações registadas nos últimos decênios” (LD 13-14). O aquecimento global é uma ameaça criada pelos seres humanos e não pode ser resolvida sem mudanças radicais em nosso modo de viver e produzir.

Não é possível, contudo, olhar para a questão climática sem dar-se conta das agudas desigualdades das sociedades humanas. “As emissões per capita nos Estados Unidos são cerca do dobro das dum habitante da China e cerca de sete vezes superiores à média dos países mais pobres” (LD 72), observa o Papa, citando um relatório das Nações Unidas. Por outro lado, as catástrofes climáticas quase sempre afetam as populações mais pobres. São elas que habitam os territórios mais sujeitos a inundações e deslizamentos de terra, que perdem o trabalho quando as lavouras são perdidas pela seca…

Apresentando alternativas viáveis

Francisco, nesse novo documento, de forma mais enfática, se reporta a propostas que tem se mostrado cada vez mais necessárias e viáveis nos últimos anos. Não se trata de fazer alarmismo em torno a previsões catastrofistas, mas sim de assumir caminhos viáveis para evitar o pior…

Do ponto de vista prático, o Papa reconhece os méritos das medidas de mitigação, que procuram retirar da atmosfera gases responsáveis pelo aquecimento global – a mais conhecida, de grande importância para o Brasil, é a política de créditos de carbono, onde países e empresas poluidoras financiam a manutenção e expansão das florestas que, com a fotossíntese, “sequestram” o gás carbônico atmosférico. Para a Amazônia, por exemplo, é uma grande alternativa de financiamento para um desenvolvimento socialmente justo e economicamente interessante. Contudo, lembra que essas medidas serão insuficientes sem mudanças mais radicais (LD 57).

Diante das ameaças do aquecimento global, o mundo precisa acelerar a substituição das fontes de energia derivadas da queima de combustíveis fósseis por fontes “limpas” (solar, eólica, hidráulica, biocombustíveis). Não se trata de um caminho utópico ou oposto ao progresso. O aperfeiçoamento e a popularização dos carros elétricos é um bom exemplo da viabilidade dessa substituição. Outro ponto, que poucos de nós sabemos, é que o Brasil já é um líder mundial no uso de fontes “limpas”. As fontes de energia limpas respondem por 83% da produção nacional. Nosso país tem uma das matrizes energéticas mais renováveis do mundo, com 48% de fontes renováveis na matriz energética, enquanto o resto do mundo tem apenas 14%.

Laudate Deum incorpora, nesse sentido, as indicações da Agência Internacional de Energia Renovável (ligada às Nações Unidas). Esse organismo internacional defende que os acordos internacionais devem chegar a propostas eficientes, vinculantes (isso é, que não dependam apenas da boa vontade dos países para serem implementadas) e facilmente monitoráveis (LD 59). O Papa, contudo, reconhece que os encontros internacionais têm ficado aquém das expectativas (LD 44ss). Por isso, defende a necessidade de redesenhar o multilateralismo (que é a cooperação entre os países, buscando o bem comum – e não a imposição de normas por um país ou organismo internacional, como alguns maldosamente imaginam). Francisco acredita que, nesse redesenho, deve crescer a importância e a pressão das organizações sociais, buscando sanar as debilidades dos governos (LD 37).

O que nos cabe?

Como o Papa irá salientar no final do documento, cabe a todos nós, sejamos católicos, professemos outras religiões ou mesmo sejamos ateus, lutar para que as mudanças necessárias aconteçam. É um imperativo moral que transcende as religiões ou as posições políticas. Nas palavras de Francisco: “Na própria consciência e pensando nos filhos que pagarão os danos das minhas ações, coloca-se a questão do sentido: Qual é o sentido da minha vida? Qual é o sentido da minha passagem por esta terra? Qual é, em última análise, o sentido do meu trabalho e do meu compromisso?” (LD 33).

Tags:
Meio ambientePapa FranciscoSaúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia