Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 29 Fevereiro |
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

Como a Laudate Deum desafia os empreendedores

Press conference to present Pope Francis' latest encyclical letter on environment "Laudate Deum"

Antoine Mekary | ALETEIA

Coletiva de imprensa ao ar livre para apresentar a Laudate Deum

Hubert de Boisredon - publicado em 10/10/23

A carta apostólica convida os empresários a se tornarem corresponsáveis ​​e criadores de soluções para resolver o problema da crise ambiental, o que para muitos pode ser um choque

A Exortação Apostólica Laudate Deum, publicada em 4 de outubro, festa de São Francisco de Assis, foi um choque. Alguns estavam esperando por esse incentivo à luta contra a mudança climática. Outros acham que o Papa vai longe demais quando pede uma mudança generalizada no estilo de vida irresponsável do modelo ocidental.

O que é certo é que a mensagem papal para “todos os homens e mulheres de boa vontade” é muito clara. O Papa está preocupado. Oito anos após a publicação de sua encíclica Laudato Si’ sobre a preservação de nossa Casa Comum, ele considera que o progresso feito é muito lento e insuficiente, pois não temos mais tempo para corrigir a poluição excessiva e o consumo de energias baseadas em carbono.

Ponto de ruptura

A Terra geme. Um após o outro, os limites planetários estão sendo ultrapassados. Sabemos que atingir a meta do Acordo de Paris de neutralidade de carbono até 2050 é inatingível no ritmo atual de progresso. No entanto, atingir esse objetivo é a única maneira de limitar o aquecimento global a 1,5°C. Então, o que estamos vivenciando? Ondas de calor recordes, derretimento dos polos, aumento do nível do mar, diminuição da biodiversidade, incêndios florestais e enchentes. Centenas de milhões de pessoas não têm outra opção a não ser fugir do agravamento da seca e da falta de água. “O mundo pode estar se aproximando de um ponto de ruptura”, explica o sucessor de Pedro.

O Papa Francisco conclamou as nações mais ricas a mostrar a inconsistência de sua cegueira, que afeta diretamente as pessoas mais vulneráveis e mais pobres. Ele também alerta os céticos do clima, que não conseguem avaliar as informações fornecidas pelos cientistas. Francisco, inclusive, nos convida a parar de criticar os chamados movimentos ambientais radicais, porque eles preenchem um vazio. Os que estão no poder devem parar de desprezar a criação, insiste ele.

Um chamado do divino

Para nós, empreendedores e líderes empresariais, esse tipo de conversa é um choque. Geralmente, somos fãs do crescimento. E, de fato, sem crescimento, é difícil gerar lucratividade para nossas empresas. A tentação seria considerar o Papa ingênuo, irrealista ou até mesmo desacreditar suas palavras, dizendo que elas se aproximam mais de declarações políticas e ecológicas do que espirituais. E ainda assim… cuidar da criação é, de fato, um chamado do divino. Qual é o valor de nossas orações na casa do Senhor, nas nossas igrejas, se não cuidarmos de nossa Casa Comum, nossa terra? E, como empresários, estamos bem cientes de que o ambiente econômico está sendo penalizado pela deterioração do planeta, pelo desaparecimento de recursos, pela poluição, pelo esgotamento dos recursos naturais, pelas desigualdades entre os países do norte e os países do sul e pelas guerras que daí resultam…

Como líderes empresariais, não podemos ficar indiferentes e deixar de agir. Somos chamados a nos tornar corresponsáveis e a criar soluções para o problema ambiental. A busca pela maximização do lucro, a crença de que o crescimento no uso de recursos pode ser ilimitado ou que a solução para todos os problemas será encontrada na tecnologia não pode mais ser nossa linha de visão. Sim, nossas empresas devem ser lucrativas, mas, acima de tudo, devemos ter como objetivo colocar nosso know-how e nossas tecnologias a serviço da luta contra o aquecimento global e da construção de um mundo mais humano, mais ecológico e mais justo.

Diálogo intergeracional construtivo

Como expliquei em meu livro Déserter ou s’engager? Lettre aux jeunes qui veulent changer le monde, é com os jovens, em um diálogo intergeracional construtivo, que as direções podem ser encontradas. Os jovens estão perfeitamente cientes das mudanças climáticas e esperam um compromisso firme e radical da geração mais velha. Muitas empresas já estão comprometidas com a economia circular e as energias renováveis.

Também devemos nos atrever a denunciar comportamentos que impedem essa mudança cultural. Esperamos, portanto, que a COP28 leve a uma aceleração da transição energética.

Da mesma forma, em vista dos desafios climáticos, como podemos aceitar pacificamente que os Jogos Asiáticos de Inverno de 2029 sejam realizados na Arábia Saudita, no meio do deserto? Da mesma forma, não é incoerente organizar as próximas Copas do Mundo de futebol em vários países ao mesmo tempo, e até mesmo para a edição de 2030 em vários continentes, em um momento em que deveríamos ser criteriosos quanto ao uso de aeronaves?

Deixando para trás o sentimento de onipotência

Dando um passo atrás, a carta do Papa Francisco certamente nos abala e talvez perturbe alguns de nós, mas será que esse desafio não é uma oportunidade para todos?

O Papa nos exorta a deixar para trás o sentimento de onipotência que nos torna predadores. Não é uma oportunidade para sairmos de nossas zonas de conforto e nos questionarmos, para que possamos escolher mostrar maior solidariedade com os desafios que a humanidade enfrenta? Não é uma maneira de converter nossos corações, talvez abrindo mão de certos confortos materiais e finalmente nos abrindo para os outros, especialmente os mais pobres e aqueles que sofrem? Ser cristão não é seguir os caminhos fáceis do mundo, mas seguir a Deus.

Cristo também desafiou seus contemporâneos, assim como os profetas antes dele. É uma maneira de nos dizer: “Em nome da fé e da esperança que habita em nós, sim, acreditamos que o mundo pode ser salvo, mas isso não pode ser feito sem a livre cooperação e determinação de cada um de nós”.

Precisamos estar dispostos a ouvir. Porque, se não ouvirmos, provavelmente estaremos contribuindo para colocar em risco o futuro da terra e de nossos filhos… O que restará de nosso sucesso profissional e econômico? Vamos ousar nos mexer, pois nossas vidas valem muito mais do que nosso sucesso financeiro e econômico. E os jovens ao nosso redor precisam de nosso compromisso determinado!

Tags:
CriaçãoMeio ambientePapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia