Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 22 Fevereiro |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Comitê da ONU pressiona explicitamente o Brasil a legalizar aborto

BRASILIA

Shutterstock | Filmes

Francisco Vêneto - publicado em 18/10/23

Delegação do atual governo federal se mostra alinhada com a posição pró-aborto do Comitê dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais das Nações Unidas

O Comitê dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais das Nações Unidas (ONU) está expressamente pressionando o Brasil para que “reveja sua legislação criminal que proíbe o aborto”, a fim de, segundo o próprio comitê, “torná-la compatível com a integridade, autonomia e saúde das mulheres, em particular descriminalizando o aborto”.

Com os conhecidos eufemismos que relativizam o livre extermínio de bebês em gestação embutindo-o na categoria elástica dos alegados “diretos sexuais e reprodutivos”, o comitê orienta o governo brasileiro a “orientar-se” de acordo com o “comentário geral do Comitê nº 22 (2016) sobre o direito à saúde sexual e reprodutiva e as Diretrizes da Organização Mundial da Saúde sobre o Aborto (2022)”.

A 74ª Sessão do Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais foi realizada de 25 de setembro a 13 de outubro em Genebra, na Suíça. Ficou explícita, no seu decorrer, a pressão pró-aborto aplicada ao Brasil, cuja delegação foi encabeçada por Rita Oliveira, secretária executiva do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDHC). Durante o evento, 18 assim descritos “peritos da ONU” sabatinaram a delegação brasileira com questionamentos sobre as políticas de direitos humanos e sociais no país.

As “recomendações” da ONU ao Brasil

Encerrado o encontro, o Comitê dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais da ONU publicou, nesta terça-feira, 17, as suas observações finais dirigidas ao Brasil.

O documento registra que o comitê estaria “preocupado” com os “obstáculos que as mulheres [brasileiras] enfrentam para obter acesso ao aborto seguro, mesmo nos casos em que ele é legalmente permitido, particularmente para as mulheres que enfrentam formas de discriminação variadas”.

Menciona-se ainda uma preocupação com as “altas taxas de mortalidade materna e com a falta de acesso a serviços de saúde sexual e reprodutiva apropriados e a informações em áreas rurais e periféricas”.

Com essa ambientação, o comitê pressiona abertamente o governo brasileiro a assegurar “a acessibilidade e a disponibilidade de serviços e informações de saúde sexual e reprodutiva adequados e de boa qualidade, inclusive o acesso a serviços de aborto seguro, incluindo medicamentos para aborto, contracepção e contracepção de emergência, para todas as mulheres e meninas adolescentes que fazem parte desse Estado, especialmente em áreas rurais ou remotas”.

Delegação do governo brasileiro também se mostra pró-aborto

A delegação enviada pelo atual governo federal se mostrou bastante alinhada com a ideologia pró-aborto escancarada pelo comitê da ONU.

Em 29 de setembro, os membros da delegação declararam ao comitê que entre as “principais prioridades do Ministério da Saúde” está precisamente a de “melhorar a saúde sexual e reprodutiva” das brasileiras. Acrescentaram que, em vista deste objetivo, o ministério está “criando medidas para melhorar o acesso à contracepção e ao aborto legal”, bem como para “lidar com o preconceito enfrentado pelas mulheres que se submetem ao aborto”.

A delegação também destacou que “o Brasil abandonou a Declaração do Consenso de Genebra sobre a Promoção da Saúde da Mulher e o Fortalecimento da Família” já em 17 de janeiro deste ano, transcorridas nem sequer três semanas do governo de Luiz Inácio Lula da Silva. O abandono do anterior compromisso brasileiro com o direito do nascituro à vida seria em favor de “um atendimento de saúde abrangente e baseado em direitos para as mulheres”, afirmou a delegação.

Os representantes do atual governo brasileiro também recordaram ao comitê da ONU que, “em setembro de 2023, uma ação questionando a constitucionalidade da legislação penal sobre o aborto foi apresentada ao Supremo Tribunal Federal a pedido de sua presidente [ndr: então a ministra Rosa Weber, hoje aposentada], que se declarou a favor da descriminalização dos abortos realizados nas primeiras 12 semanas de gravidez”.

Pressão da ONU chega aos detalhes

O comitê da ONU continuou incisivo na sua pressão pró-aborto.

Uma das suas integrantes, Julieta Rossi, insistiu para que a delegação brasileira detalhasse “quais medidas” estão sendo aplicadas pelo país a fim de “garantir o acesso efetivo ao aborto seguro e não punível, particularmente para as mulheres pobres e negras”. Ela também inquiriu pontualmente se já foi tomada “alguma medida legislativa específica” para “descriminalizar o aborto”.

Por fim, chegou ao grau de detalhamento de mencionar drogas abortivas pelo nome ao perguntar se o Brasil vai “alterar as legislações existentes” que restringem o acesso a “medicamentos para o aborto seguro, incluindo misoprostol e mifepristone”. Segundo ela, trata-se de “um dos métodos mais importantes e seguros para interromper a gestação em todo o mundo”.

Tags:
AbortoBrasilIdeologiaPolíticaVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia